Não ao aumento

Após protestos, Câmara pode vetar aumento de salário de prefeito e secretários

Sub-titulo da matéria

 

13/12/2018 12h02
Por: Redação

 

O vereador Chiquinho Telles (PSD), técnicos do legislativo e do Executivo municipal estão elaborando um estudo que mostra que o salário de R$ 35,4 mil do prefeito Marquinhos Trad (PSD) e secretários irá impactar as finanças da prefeitura. Desde a semana passada o anúncio do aumento tem causado até protestos no plenário da Câmara da Capital.

O vereador Vinicius Siqueira (DEM), que votou contra o aumento na 1ª votação da matéria, alertou que o reajuste aumenta o teto do funcionalismo, e destacou que espera que as manifestações da população contra o projeto possam convencer os colegas a votarem contra a proposta na próxima semana.

A votação do projeto que reajuste o salário do prefeito em 73%, já que atualmente ele recebe pouco mais de R$ 20 mil, está prevista para a sessão do dia 20 de dezembro, a última de 2018.

No caso do projeto que aumenta o salário do prefeito, explicou Telles, não cabe a Marquinhos vetar ou não, já que a sanção é prevista por lei a o presidente do legislativo municipal. Além disso, Chiquinho explicou ainda que o reajuste para os vereadores, de R$ 15 mil para quase R$ 19 mil, pode nem acontecer.

O aumento dos salários de prefeito e vereadores também é baseado no reajuste nos salários dos ministros do STF (Supremo Tribunal Federal), que elevou de R$ 33 mil para R$ 39 mil os proventos a partir de janeiro de 2019.

Envie seu Comentário