Tragédia

Discussão por causa de fogo em terreno acaba com dois mortos no São Conrado

Testemunha relatou como ocorreu o crime que vítimou pai e filho. Casas que seriam de um dos suspeitos foram destruídas por incêndio horas depois do duplo homicídio.

 

11/02/2019 06h44
Por: Redação

 

Pai e filho foram mortos a tiros por volta das 20h30 de domingo (10), após briga entre vizinhos, por atear fogo em terreno, na Rua Capitao Airton P. Reboucas, no São Conrado, em Campo Grande. Foram mortos Carlos Mendes Figueiredo, 42 anos, e Bruno Pierri Figueiredo, 22.

Segundo o boletim de ocorrência registrado pela Polícia Militar, a equipe após ser empenhada para atendimento, deparou-se com as vítimas, já sem sinais vitais, caídas ao solo. Fato confirmado por uma equipe do Corpo de Bombeiros.

Em contato com a namorada de Bruno, uma das vítimas, disse que durante o dia ela e Bruno realizaram a limpeza de um terreno no local dos fatos e que na noite, retornaram para atearem fogo em um monte de lixo.

Ao perceberem a ação, três vizinhos, dentre eles o autor do duplo homicídio, 61 anos, foram até o terreno e iniciou-se uma discussão. Com isso, Bruno ligou para seu pai, que foi até o local.

Ao chegar, Carlos já desceu do veículo com uma barra de ferro na mão e questionou o motivo da discussão, momento que a testemunha percebeu que um dos vizinhos estava armado, acompanhado de um irmão, e fez dois disparos contra Carlos. De imediato, ela se abrigou, quando ouviu outros disparos, possivelmente contra seu namorado.

Ainda, segundo a testemunha, após os primeiros disparos uma terceira pessoa que estava junto com os irmãos, teria pego em seu pescoço e dito "se você chamar a polícia ou falar pra alguém eu te mato".

Foram realizadas diligências com o apoio de outras guarnições da Polícia Militar e Civil, mas o autor dos disparos e seu irmão não foram localizadas. Na casa deles, foram encontrados e apreendidos 11 munições calibre .38. Porém, contudo, o terceiro vizinho, que foi relacionado como testemunha, acabou sendo encaminhado para a Delegacia de Pronto Atendimento Comunitário (Depac) Piratininga.

Horas depois, na madrugada desta segunda-feira (11), seis casas que ficam no mesmo terreno, que seriam de um dos suspeitos do crime, foram destruídas por incêndio. As chamas foram controladas pelo Corpo de Bombeiros e não houve feridos.

Casas incendiadas, após o crime.

Envie seu Comentário