Oscar 2020

Bolsonaro critica 'Democracia em Vertigem', mas diz que nunca assistiu

"Democracia em vertigem" é um documentário da diretora brasileira Petra Costa que relata o o fim do governo de Dilma Rousseff

 

14/01/2020 12h15
Por: Folhapress

 
(Roberto Stuckert Filho/PR) (Roberto Stuckert Filho/PR)

O presidente Jair Bolsonaro classificou nesta terça-feira (14) como uma "ficção" a produção brasileira "Democracia em Vertigem", indicada na categoria de melhor documentário longa-metragem do Oscar deste ano.

Na entrada do Palácio da Alvorada, onde cumprimentou um grupo de eleitores, ele disse que o filme dirigido por Petra Costa, que relata o impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff (PT), é considerado de qualidade por aqueles que gostam de lixo.

"Ah, não, pera. Ficção. Para quem gosta do que o urubu come, é um bom filme", afirmou o presidente.

Perguntado pela reportagem se havia assistido ao documentário para fazer a crítica, ele disse que não vai "perder tempo com uma porcaria dessas".

Além da saída da petista, o documentário aborda o impacto dos protestos de junho de 2013, a prisão do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e a vitória de Bolsonaro na disputa eleitoral de 2018.

O presidente, inclusive, concedeu uma entrevista para a equipe do filme quando era deputado federal, que foi incluída no trabalho final. A estatueta será entregue em cerimônia no dia 9 de fevereiro.

A produção da Netflix, que acompanha o acontecimento histórico a partir de uma visão particular da diretora, chegou à plataforma de streaming em junho.

Não é a primeira vez que o presidente critica um filme sem tê-lo assistido. Em junho, após atacar o longa-metragem "Bruna Surfistinha", ele reconheceu que não o viu.

"Eu não [assisti], pô. Vou perder tempo com Bruna Surfistinha? Eu estou com 64 anos de idade. Se bem que eu tenho uma filha de oito anos, sem aditivo", disse.

Em cerimônia de comemoração dos 200 dias do governo, Bolsonaro havia afirmado que não pode admitir que dinheiro público seja destinado a filmes como a produção do diretor Marcus Baldini e que teve a atriz Deborah Secco como protagonista.

Em conversa com a Folha de S.Paulo, a empresária e escritora Raquel Pacheco, cuja história inspira o filme, disse na época que a declaração do presidente foi "infeliz" e afirmou que, antes de ele fazer juízo de valor, deveria "cuidar da moral de sua própria família".

Envie seu Comentário