Representantes do Agro.(Foto/Divulgação)

A atividade agrícola estimula o desenvolvimento dos municípios como demonstra o PIB per capita

De acordo com o PIB (Produto Interno Bruto) de Mato Grosso do Sul, a agropecuária tem impacto positivo na economia dos municípios. Ao analisar a geração de riqueza, constata-se que entre os dez municípios com maior valor, metade deles se destacam na produção agrícola. Este é o destaque do #MercadoAgropecuário de segunda-feira (15).

“O resultado da economia do estado depende do desenvolvimento dos 79 municípios, cada um deles tem sua importância. O crescimento da economia municipal refletirá em ganhos para o estado. É importante termos um trabalho ativo dentro de cada cidade. Para isso, é essencial a participação dos representantes do setor Agro, principalmente os presidentes e diretores dos sindicatos rurais, participando ativamente das reuniões e discussões econômicas e sociais do seu município”, explica o gerente técnico do Sistema Famasul, José Pádua.

Para demonstrar o potencial de Mato Grosso do Sul, os cinco maiores produtores agropecuários totalizam um PIB de R$ 18,9 bilhões, a agropecuária representa 21% desse valor. São eles: Dourados, Maracaju, Ponta Porã, Rio Brilhante e Sidrolândia. Geram mais de 97 mil empregos formais, 18% do total do estado e se sobressaem com o IDH (Índice de Desenvolvimento Humano) entre 0,700 e 0,799, classificado como alto.

Juntos, os cinco municípios totalizam 2,1 milhões de hectares de soja e milho. Somado a estes, está Três Lagoas como referência na produção florestal, por ser líder nacional na área plantada de eucalipto, com 263 mil hectares e contar com unidades industriais de papel e celulose.

O município de Maracaju ocupa o primeiro lugar no ranking estadual na produção de grãos e o sétimo no país em soja e milho, com mais de 595,7 mil hectares plantados e mais de 2,2 milhões de toneladas. Possui PIB per capita de R$ 63,6 mil, o terceiro maior de Mato Grosso do Sul e o quarto melhor IDH do estado, 0,736.

Dourados é o quarto em produção agrícola, registra o segundo melhor IDH (0,747) e é responsável pela ocupação de 58,5 mil pessoas no estado.

Em Rio Brilhante, o PIB per capita é de R$ 62,3 mil, quarta posição no estado. Ocupa a 5ª posição no ranking de produção de grãos, mas é a segunda maior área de cultivo de cana-de-açúcar, com 100,1 mil hectares plantados.

O resultado de Três Lagoas é ainda mais positivo. A cidade registra o segundo maior PIB do estado, com valor de R$ 11,5 bilhões e a mesma posição no PIB per capita com valor superior a R$ 96 mil, o IDH é equivalente a 0,744 e gera mais de 33 mil empregos formais.  Os números indicam que a produção florestal trouxe um ciclo de prosperidade para o município e se estende para a região, fomentando o desenvolvimento de Ribas do Rio Pardo e Água Clara, o segundo e terceiro lugar nacional em área de florestas plantadas.

“Naturalmente o município evoluindo, de forma economicamente, ambientalmente e socialmente sustentável vai contribuir para o avanço de Mato Grosso do Sul. Por isso a Famasul enquanto instituição estadual tem uma preocupação municipal por meio dos seus sindicatos rurais, para que participem ativamente no desenvolvimento de seus municípios”, finaliza, José Pádua.

Comentários