20.8 C
Campo Grande
terça-feira, 16 de julho, 2024
spot_img

“A PM zela pelo cidadão e pela proteção à sociedade”, diz comandante do policiamento metropolitano

Garantir a segurança de todos, em especial do cidadão do bem. Essa é a missão de qualquer policial militar e, em Campo Grande, vem sendo exercida de forma bastante eficaz. Atuando em todas as regiões urbanas da cidade, bem como nos seus distritos, a Corporação vem ganhando notoriedde pelo rápido atendimento às ocorrências, que vão desde ao furto simples, passando pelas conturbadas perturbações de sossego até aos crmes mais delicados, como violência doméstica, homicídio e assalto. Nesta segunda-feira (04), o Comando de Policiamento Metropolitano (CPM) divulgou o balanço das ações realizadas entre janeiro a maio destes ano. Foram quase 60 mil pessoas abordadas no período e 3.950 conduzidas para as delegacias.

Na avaliação do comandante do CPM, Coronel Emerson de Almeida Vicente, o balanço é positivo e comprova a agilidade que a Polícia Militar vem desempenhando desde a implantação do OCOP (Obtenção de Capacidade Operacional Plena), ocorrida em junho do ano passado. “Houve melhor tempo resposta no atendimento das ocorrências, que vem se refletindo mês a mês. Neste primeiro semestre não foi diferente, pois a setorização das viaturas em 38 sub-regiões na Capital fez com que houvesse a efetividade do emprego do policiamento, propiciando uma melhor qualidade na prestação do serviço à comunidade”, comentou, em entrevista ao site Enfoque MS.

Conforme os dados estatísticos extraídos do Centro Integrado de Operações de Segurança (CIOPS), as três ocorrências mais atendidas pelo CPM com empenho de viaturas no período de janeiro a maio deste ano foram de Perturbação do Sossego (21%), Violência doméstica (14%) e Vias de fato (11%). De acordo com o Coronel, em se tratando dos chamados para perturbação do sossego, é necessário que se faça a representação contra o infrator. “Atualmente, é este o tipo de ocorrência com maior demanda junto ao Copom da PM. O combate a perturbação do sossego alheio passa pela aplicação da lei, seja em bares, boates e outros vizinhos barulhentos, mas para isso a PM precisa que a pessoa vitimada acione e tenha o interesse em representar, caso contrário, não há como configurar a perturbação”, explicou.

Ainda dentro das ocorrências que mais foram atendidas pelo CPM nestes primeiros meses de 2022, a violência doméstica apareceu em segundo lugar. Esse registro tem ganhado destaque na mídia e, ao longo dos últimos anos, se tornaram recorrentes crimes de feminício, quando a mulher acaba morta pelo companheiro. Segundo Emerson Almeida, existem diversos serviços e instituições que podem prestar o atendimento e o apoio necessários para romper o ciclo da violência contra a mulher. “Um destes é o telefone 190, da PM. Uma viatura da Polícia Militar é enviada imediatamente até o local para o atendimento da vítima e dará todo o suporte necessário para a sua segurança”.

No período divulgado pelo balanço, os policiais do CPM realizaram a apreensão de 84 armas de fogo. Na avaliação do comandante, a posição geográfica de Mato Grosso do Sul é um dos fatores que favorece ao porte ilegal. “As equipes mantém, diuturnamente, policiamento efetivo pela cidade e durante abordagens preventivas acaba localizando pessoas portando armas de forma irregular. A grande maioria das armas apreendidas não possuem qualquer tipo de registro”.

Ainda sobre as abordagens realizadas pela PM, ele explica que, dentro de um estado de suspeição, são de suma importância para coletividade. “Traz a sensação de segurança para os demais e podemos assim identificar pessoas com ilícitos, que vão desde uma arma até portando entorpecentes, além de verificação se não trata de um foragido”, disse. Conforme disse, todo e qualquer cidadão está sujeito a uma abordagem policial. “O cidadão de bem, ao ser abordado, nós recomendamos que mantenha a calma e lembre-se que, uma abordagem policial não quer dizer necessariamente que seja o infringente da lei. Por isso, deve respeitar e não discutir com o policial, pois é aquele velho ditado ‘quem não deve não teme'”, complementou.

O comandante do CPM reforça ainda que a população pode confiar e garantir a segurança tanto no centro da cidade como também nos bairros mais afastados. “Nós estamos trabalhando nas 24 horas do dia para propiciar a tranquilidade do ir e vir das pessoas que residem em Campo Grande e municípios adjacentes à Capital, como Ribas do Rio Pardo e Terenos, seja nas regiões centrais das cidades como nos bairros mais periféricos, bem como também nas áreas rurais que circundam as cidades”, destacou. “A Polícia Militar zela pelo cidadão e pela proteção à sociedade, buscando sempre estar presente para garantir a segurança e a paz social em Mato Grosso do Sul, não sendo diferente na área de competência do Comando de Policiamento Metropolitano”, finalizou o coronel Emersom Almeida.

Fale com a Redação