Estudantes do 3º ano do Ensino Médio da Escola agrícola (Foto: divulgação Sebrae MS)

Estudantes do 3º ano do Ensino Médio do Centro Estadual de Educação Profissional Márcio Elias Nery (CEEP), localizado em Camapuã, participaram de oficina de empreendedorismo e se destacaram com a criação de produtos feitos à base de alimentos da agricultura familiar. O trabalho foi realizado por meio da metodologia Jovem Empreendedor no Campo (JEC), implementada na escola agrícola com o apoio do Sebrae/MS, por meio do programa Educação Empreendedora. A ação é um dos principais eixos de atuação de outra iniciativa promovida pela instituição em Camapuã: o Cidade Empreendedora, executado em parceria com a Prefeitura Municipal.

Com a proposta de despertar nos adolescentes a criatividade e o interesse pelo empreendedorismo, o JEC é voltado, especificamente, para estudantes do Ensino Médio. Para a aplicação da metodologia em sala de aula, o Sebrae/MS capacita os professores e oferece o material didático. O conteúdo trabalhado é dirigido para o jovem do meio rural e tem a proposta de incentivá-los a dar apoio ao negócio da família no campo, além de criar oportunidades de ocupação e renda.

“Dentro da metodologia, os estudantes são levados a ter uma visão das oportunidades de negócio que o campo oferece e enxergar maneiras de inovar nesse contexto. Isso é muito importante, pois a partir do momento que mostramos para os jovens que existem novas possibilidades de aproveitar a cultura de onde eles estão inseridos, conseguimos incentivá-los a continuar nas comunidades rurais, além de fazer com que eles ajudem às famílias a aumentar a renda e qualidade de vida”, esclareceu a gestora estadual do programa Educação Empreendedora do Sebrae/MS, Priscila Veloso.

Trabalho desenvolvido na escola agrícola – No Centro Estadual de Educação Profissional Márcio Elias Nery (CEEP), o conteúdo oferecido pelo JEC foi trabalhado com os estudantes ao longo de um bimestre, a fim de reforçar conhecimentos teóricos e práticos. No final da metodologia, os alunos tiveram autonomia para decidir qual seria o produto que iriam desenvolver, aplicando aquilo que aprenderam.

Alunos de escola agrícola de Camapuã se destacam ao criar produto, após oficina de empreendedorismo
Alunas do 3º ano do Ensino Médio do CEEP, no processo de produção da coxinha de mandioca

Resultados

Dentro dos resultados apresentados para a escola, o que mais se destacou foi a coxinha de mandioca. A principal matéria prima para fazer a receita veio de pequenos produtores rurais e os demais itens foram arrecadadas por meio de doações. De acordo com a estudante Monique Mendes Zandonai, a experiência foi inovadora e didática.

“No início pensamos em fabricar alguns derivados da mandioca, mas a matéria prima não estava em boas condições, então surgiu a ideia de fazer a coxinha. Durante o bimestre estruturamos como ela seria produzida e conheci um pouco mais sobre o empreendedorismo, o que foi muito interessante e abriu os meus olhos para o tema. No final do projeto vendemos as coxinhas para nossos colegas, professores e funcionários da escola, foi uma experiência maravilhosa”, relatou a estudante.

Aluna do 3º ano do Ensino Médio do Centro Estadual de Educação Profissional Márcio Elias Nery (CEEP), montando a coxinha de mandioca

Para a professora Juliane de Carvalho Costa, que deu apoio aos alunos, a metodologia foi importante para que eles pudessem entender o que é o empreendedorismo. “Todas as etapas foram realizadas pelos estudantes, desde a coleta da mandioca, os preparos, até chegarem ao produto: a coxinha. A oficina preparou os estudantes para que, a partir dos seus próprios conhecimentos e habilidades, se tornassem pequenos empreendedores. Sem dúvidas foi uma oportunidade única na vida profissional deles”, comentou a docente.

Feira

Alunos de escola agrícola de Camapuã se destacam ao criar produto, após oficina de empreendedorismo
Aluna do CEEP, montando a coxinha de mandioca

Com a finalização da metodologia, após o sucesso do produto apresentado, os alunos foram convidados para participar de uma feira no município, onde puderam comercializar a coxinha de mandioca e mostrar o trabalho para a comunidade. Segundo a coordenadora-técnica do CEEP, Pamylla Mayara Pereira da Silva, a necessidade de trabalhar o empreendedorismo em sala de aula surgiu com as mudanças exigidas pela reforma do Ensino Médio e no currículo do técnico em agropecuária e, ao adotar à metodologia JEC, foi possível atender à exigência, além de alcançar ótimos resultados e trazer novas oportunidades para os estudantes.

“Eles puderam observar que hoje é possível ter o seu próprio negócio e que empreender é uma possibilidade de carreira. O projeto transformou não só a escola, como o dia a dia dos alunos. Percebemos que o empreendedorismo é um braço muito forte, em todos os sentidos, quando falamos em desenvolvimento. Acredito que depois do JEC os alunos vão sair da escola mais motivados a continuar com esse espírito empreendedor”, finalizou a coordenadora.

As metodologias oferecidas pelo Sebrae/MS voltadas para o âmbito da Educação podem ser aderidas por outras instituições de ensino interessadas, tanto públicas, quanto particulares. Mais informações podem ser obtidas por meio do número 0800 570 0800 ou pelo e-mail [email protected].

Fonte: Ascom Sebrae MS

Comentários