Para vacinação de gestantes e puérperas com comorbidades, a mulher deverá comprovar a condição de risco. (Foto/Divulgação)

Por enquanto está vetada AstraZeneca e liberado uso da CoronaVac e Pfizer

Com nova determinação da Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária), o Ministério da Saúde anunciou que a vacinação de grávidas e de puérperas no Brasil contra a Covid-19 será restrita somente às mulheres com comorbidades (doenças pré-existentes) e elas devem receber apenas as vacinas CoronaVac e Pfizer.

Seguindo a orientação, a Prefeitura de Dourados informa que seguirá com o PNI (Programa Nacional de Imunização), respeitando a interrupção em gestantes e puérperas sem comorbidades.

A vacinação do grupo com comorbidades deverá prosseguir com as demais vacinas em uso no país, visto que o perfil risco/benefício da vacinação neste grupo é altamente favorável (Sinovac/Butantan e Pfizer). Para vacinação de gestantes e puérperas com comorbidades, a mulher deverá comprovar a condição de risco (comorbidade) por meio de exames, receitas, relatório médico, prescrição médica.

Segundo o secretário municipal de Saúde, Edvan Marcelo Marques, a Sems aguarda orientação do Ministério da Saúde para saber se as gestantes que tomaram a Dose 1 AstraZeneca poderão receber a Dose 2. “Orientações detalhadas serão emitidas em nota técnica pelo Programa Nacional de Imunizações e então seguiremos o que for determinado”, explicou.

Comentários