Ramão se orgulha em dizer que participou de todos os cursos realizados na comunidade nos últimos anos. (foto: Assessoria de imprensa/Senar)

Durante a pandemia Ramão Pereira deixou a cidade e foi morar na Comunidade Quilombola São Miguel, em Maracaju. Os cursos voltados à produção de hortaliças e frutas, além da Assistência Técnica e Gerencial (ATeG) do Senar/MS, o capacitaram para uma produção profissional. Esse é o case de sucesso da série #TransformandoVidas desta semana.

“Comecei com R$ 280 e 200 pés de melancia sem conhecimento algum. A partir do momento que eu comecei a trabalhar com o Senar, modifiquei meu trabalho. Eu não tinha nada no papel. Não sabia quanto ia gastar de adubo, de semente. Pegava qualquer semente. Ia no mercado e comprava. E não tinha qualidade”, comenta.

Ramão se diz orgulhoso quando conta que participou de todos os cursos do Senar ministrados na comunidade nos últimos anos.

“Hoje eu tenho um norte do que estou fazendo. Aprendi muitas coisas com o Senar sobre o plantio, técnica correta. Nós tivemos muita ajuda dos técnicos. Aprendi a priorizar os orgânicos também. Para mim, só tem a melhorar cada dia mais. Acho que o Senar é o caminho correto de pequenos produtores, como eu”.

Além das questões técnicas de produção, a assistência do Senar ensinou o produtor a vender seus produtos.

“Se você não tiver uma base e uma logística de como fazer, não tem como produzir nada. Você pode até produzir, mas tem qualidade e não tem venda. Isso eu aprendi também. O que é produzir, vender, ter lucro e o que é ter prejuízo”, finaliza Ramão.

Transformando Vidas – Toda sexta-feira, o Sistema Famasul divulga uma reportagem sobre a atuação do Senar/MS e as suas transformações no campo. Confira outras histórias de sucesso no canal no YouTube, e conteúdos sobre Horticultura em ‘Mercado Agropecuário’ e ‘Educação no Campo’.

Comentários