Por José Ricardo Bandeira*

As urnas eletrônicas e o nosso "complexo de vira-latas"

Começo esse artigo com uma das máximas da doutrina de segurança, que diz que “nenhum sistema é 100% seguro” e, assim como ao viajarmos de avião, usarmos um elevador ou até mesmo andarmos de carro, não podemos garantir com 100% de certeza que nada de errado acontecerá, mas aceitamos a baixíssima probabilidade de algo de errado acontecer e vivemos normalmente as nossas vidas no cotidiano de nossos dias. 

Esse gigantesco sistema de voto envolve a utilização de softwares (programas), hardwares (equipamentos) e material humano qualificado para atuar em todas as fazes do processo, com o intuito de impedir que ameaças externas possam comprometer a lisura do sistema, e assim tem sido nos últimos 25 anos, sem qualquer comprovação de fraude ou adulteração. 

Ao contrário do que alguns insistem em pregar, as urnas e o sistema eleitoral brasileiro são sim auditáveis, antes, durante e depois do pleito eleitoral, inclusive com a participação e anuência dos representantes dos partidos políticos. 

Porém ainda existem aqueles incrédulos, e em alguns casos inescrupulosos e de má fé que emitem falsos comentários e informações sobre a possibilidade de hackers invadirem as urnas e alterarem o resultado da eleição, fato este impossível pois as urnas eletrônicas brasileiras não são conectadas a internet e não tem nenhum dispositivo físico ou programa em seu interior que permita tal conexão. 

Somam-se a todo esse sistema de segurança o fato de as diversas equipes responsáveis pelo sistema eleitoral serem compartimentadas, fazendo com que uma equipe não tenha acesso ao setor, informações e prerrogativa de outra, e a uma forte criptografia que impede qualquer tipo de acesso externo ao sistema. 

Portanto, apesar de milhares de fake news (notícias falsas) que circulam com o objetivo do favorecimento de pequenos grupos políticos (que foram legalmente eleitos por esse mesmo sistema eleitoral que hoje afirmam ser fraudado) e que querem se perpetuar no poder em detrimento da sociedade, é possível afirmar que as urnas eletrônicas são sim seguras, e querer a volta do voto impresso é o mesmo que pleitearmos a volta das máquinas de escrever e o banimento dos computadores. 

Por fim, talvez essa não valorização do sistema eleitoral brasileiro e a crença coletiva nas fake news se ancorem simplesmente no “complexo de vira-latas” da sociedade brasileira, que valoriza o que vem de fora e desmerece as nossas conquistas e avanços nacionais. O Brasil tem o maior e mais eficiente sistema eleitoral do mundo, assim como um dos mais avançados sistemas bancários do mundo (basta perguntar a um americano quantos dias um cheque pode levar para ser compensado nos Estados Unidos), sem falar no PIX, criação nossa e sucesso absoluto, ou na atuação do Instituto Butantã e da Fundação Oswaldo Cruz na corrida mundial pelas vacinas contra a Covid-19, entre centenas e centenas de outras iniciativas nacionais reconhecidas no cenário mundial. 

Não somos apenas o país do futebol ou do carnaval, somos também uma nação de mentes brilhantes! 

*José Ricardo Bandeira – Perito em Criminalística e Psicanálise Forense, Comentarista e Especialista em Segurança Pública

Comentários