22/04/2020 16h12
Da redação

O presidente da Assembleia Legislativa de Mato Grosso do Sul (ALEMS), deputado Paulo Corrêa (PSDB), recebeu representantes do município de Porto Murtinho na sala da presidência, nesta quarta-feira (22). O motivo da reunião é um pedido de apoio dos parlamentares, bem como do Poder Executivo, para a prevenção e combate ao furto de gado. A intenção é que a Casa de Leis, por meio da atuação dos parlamentares, participe como interlocutora da negociação por ampliação de ações para segurança no meio rural.

Abigeato é o nome dado ao furto de animais domesticados ou animais que serão abatidos para consumo. No Estado, com a forte atividade pecuária, é comum o furto de gado, especificamente, o que resulta em prejuízo aos fazendeiros e também risco à saúde dos consumidores, pois a carne passar a ser “clandestina”, por não se submeter à fiscalização sanitária regular.

“Percebemos que o furto de gado na região de Porto Murtinho conta com a participação de muita gente. Pois, furtam o gado e depois ainda vendem essa carne, comercializam. Chegaram a prender responsáveis pelo furto que, no outro dia, foram liberados”, pontuou Paulo Corrêa. Ele sugeriu, ainda, uma reunião com o presidente do Tribunal de Justiça de Mato Grosso do Sul (TJ-MS), Paschoal Carmello Leandro, para ampliar as ações contra a criminalidade na região de Porto Murtinho. O encontro foi agendado para amanhã (23), às 11h30, na sede do TJ-MS.

Secretário de Estado de Justiça e Segurança Pública, Antonio Carlos Videira, reforçou o compromisso do Poder Executivo com a questão. “Vamos estudar a implementação de uma ação para combater o crime de abigeato, visando também identificar o grupo de pessoas que está praticando esse crime. Vamos envolver o Departamento de Operações de Fronteiras e a Coordenadoria de Vigilância Sanitária”, afirmou. Além dele, representando o Governo do Estado também participou da reunião o secretário de Estado de Governo e Gestão Estratégica (Segov), Eduardo Riedel

Derlei Delevatti (PSDB), prefeito de Porto Murtinho, afirmou que o crime de abigeato é praticado tanto por pessoas da área urbana, quanto rural de Porto Murtinho e, também, vindas do Paraguai. Para ele, seria importante realizar um patrulhamento na área rural. “São muitos casos que estão ocorrendo em fazendas próximas à cidade, em locais próximos á sede dessas fazendas. É preciso, por isso, reforçar a segurança. Nós buscamos a possibilidade de um patrulhamento da Polícia Militar para atuação preventiva”, disse o prefeito.

Na opinião da vereadora Fátima Vidotte (PR) de Porto Murtinho, que também participou da reunião, o encontro marca o início de ações de prevenção e combate ao crime. “Percebemos que haverá uma ação concreta e conjunta, com a união de esforços. Porque esta situação já não se trata mais de um caso isolado”, comentou.

Divulgação

Comentários