Reunião do Conselho de Segurança da ONU em 2019 (Foto: LUCAS JACKSON / REUTER)

País foi eleito para vaga rotativa, com mandato até o fim de 2023, no último mês de junho

O Brasil assume, a partir deste sábado (1), uma das vagas rotativas no Conselho de Segurança da ONU (Organização das Nações Unidas). O país reassume uma cadeira no colegiado de países após 10 anos desde a última passagem pelo Conselho, em 2011.

Além do Brasil, Albânia, Gabão, Gana e Emirados Árabes Unidos também foram eleitos para participar do órgão da ONU. Os países ocupam cinco das 10 vagas rotativas que têm direito a voto nas decisões tomadas pelo conjunto de nações.

O Conselho de Segurança da ONU tem entre seus principais objetivos a manutenção da paz e segurança internacional, podendo agir como intermediador, impor sanções e até mesmo autorizar forças de segurança para agir em situações de conflito internacional.

Durante o biênio de 2022-2023, o Brasil fará sua 11ª passagem pelo órgão decisor das Nações Unidas. Dos 15 integrantes do Conselho, apenas cinco países têm assento permanente e poder de veto: Estados Unidos, Rússia, França, Reino Unido e China, mas o Brasil, além de outras nações, tentam fazer parte do grupo permanente há anos. O embaixador Ronaldo Costa Filho, que foi aprovado pelo Senado em 2019 para ser o representante permanente do país junto à ONU, é quem vai participar das reuniões do Conselho.

Em junho de 2021, quando foi eleito para a vaga rotativa, a candidatura brasileira não teve oposição entre os países da América Latina e do Caribe, bloco do qual faz parte, e obteve 181 votos a favor na Assembleia-Geral da ONU, onde estão representados os 193 Estados-membros da entidade. O país substitui São Vicente e Granadinas, que encerrou o mandato de 2 anos em 31 de dezembro de 2021. O México, que entrou em janeiro do ano passado, continuará sendo o outro representante latino-americano ao longo de 2022.

“No biênio 2022-2023, o Brasil terá como prioridades a prevenção e a solução pacífica de conflitos, a eficiência das missões de paz e das respostas humanitárias às crises internacionais, a consolidação da paz mediante ações voltadas para o desenvolvimento, o respeito aos direitos humanos e a maior participação das mulheres nas ações de promoção da paz e da segurança internacionais. O país buscará também aprimorar a articulação do Conselho com outros órgãos da ONU e com organismos regionais envolvidos na resolução de conflitos”, afirmou o Itamaraty em nota divulgada neste sábado.

Fonte: R7

Comentários