Em um vídeo que está circulando em redes sociais, desde ontem (21), apresenta cena de violência praticada por um policial militar contra uma mulher de 44 anos, algemada e sentada em uma cadeira no quartel da PM de Bonito. O caso ocorreu em 26 de setembro deste ano. A Polícia Militar vai instaurar procedimento para apurar o fato.

No vídeo acima, a mulher, algemada, de pé, na frente do policial militar, quando ele a empurra. Ela cai na cadeira, batendo as costas e tenta se defender com os pés, ao passo que é agredida com tapas e chutes desferidos pelo militar, que apenas para as agressões após uma policial mulher do grupo o impedir que continuasse a sessão violência. Um outro policial se aproxima, mas fica apenas observando a cena até que uma PM mulher entra e o contém.

A polícia então, após agredir a mulher, registrou em boletim que ela teria sido presa por ameaça, dano, desacato e embriaguez. 

Segundo consta em boletim de ocorrência registrado pelos PMs sobre o fato, a mulher teria ameaçado o dono de um restaurante da cidade. Porém consta no mesmo registro que a mulher tem uma filha de 3 anos portadora de autismo e estaria reivindicando ser atendida para levar comida à criança. Foi lavrado que ela teria desacatado os policiais militares e que estaria embriagada.

Em nota, a Polícia Militar informou que o Comando Policiamento de Área 3 (CPA-3) determinou a abertura de Inquérito Policial Militar para a apuração dos fatos.

“A Polícia Militar do Estado de Mato Grosso do Sul informa que no tocante à ocorrência registrada na noite do dia 26 de setembro do corrente ano, no município de Bonito-MS, onde uma senhora de 44 anos foi detida por ser suspeita de cometer os crimes de desacato, danos ao patrimônio, ameaça, resistência à prisão e embriaguez, teve origem após uma equipe policial militar ser acionada para contê-la, em um restaurante daquele município, após a mesma, supostamente, ter ameaçado atear fogo no local, ameaçado de morte os proprietários e quebrado garrafas dentro do estabelecimento comercial.

Ocorre que durante a confecção do Boletim de Ocorrência, a pessoa detida teria se exaltado contra os PMs que atenderam a ocorrência, sendo necessário o uso de algemas e mantê-la dentro do compartimento para condução de detidos, considerando o avançado estado de embriaguez da mesma.

Quanto as imagens que aparecem no vídeo, foi feita uma análise preliminar do conteúdo, identificando o local e militares envolvidos. Imediatamente, o comandante do CPA-3, coronel Emerson de Almeida Vicente, determinou a instauração de um Inquérito Policial Militar (IPM), que é o instrumento legal para investigar fatos dessa natureza”.

Comentários