APROVADO

Após sanção presidencial, prefeitos esperam fôlego financeiro de R$ 461 milhões

 

22/05/2020 11h35
Da redação com informações da ASCOM

 
Divulgação Divulgação

Após sanção presidencial do Programa Federativo de Enfrentamento ao Coronavírus, Projeto de Lei Complementar (PLP) 39/2020, prefeitos de Mato Grosso do Sul esperam com grande expectativa o fôlego financeiro de R$ 461 milhões, valor que apenas ameniza a situação de calamidade pública causada pela pandemia.

Desse total, os prefeitos terão R$ 40 milhões específicos para a saúde pública e R$ 421 milhões para livre aplicação.

Para o presidente da Assomasul (Associação dos Municípios de Mato Grosso do Sul) e prefeito de Bataguassu, Pedro Caravina, embora os recursos não sejam suficientes, serão importantes para todos os atuais gestores neste momento de crise.

Aprovado no último dia 6 pelo Congresso Nacional, o Programa Federativo de Enfrentamento ao Coronavírus depende de sanção do presidente Jair Bolsonaro, que em reunião por videoconferência com os governadores na manhã desta quinta-feira (21), garantiu sacioná-lo depois de alguns ajustes.

O governador do Estado, Reinaldo Azambuja (PSDB), falou com Bolsonaro representando seus colegas de todo o país.

A reunião foi considerada produtiva pela diretoria da Assomasul, uma vez que, além dos recursos como parte do auxílio financeiro, Reinaldo pediu urgência do Palácio do Planalto na liberação de dinheiro para compensar estados e municípios pelas perdas de arrecadação decorrentes das medidas previstas na Lei Kandir.

Na quarta-feira (20), o STF (Supremo Tribunal Federal) homologou acordo financeiro entre a União e estados visando pagamento de R$ 65,5 bilhões - por regra, 25% do valor pertencem aos municípios brasileiros, ou seja, R$ 16,3 bilhões.

Diante disso, Caravina lembra que esse acordo homologado pelo Supremo é fruto de uma antiga negociação do movimento municipalista liderado pela CNM (Confederação Nacional de Municípios) da qual ele é membro do Conselho Político.

Do total, R$ 58 bilhões têm de ser repassados até 2037. Da quantia restante, R$ 4 bilhões dependem da venda, por leilão, de dois blocos excedentes do pré-sal, Atapu e Sépia, e R$ 3,6 bilhões serão pagos após três anos a partir da aprovação da PEC (Proposta de Emenda à Constituição) 188/2019, apelidada de Pacto Federativo.

O acordo prevê dois calendários de liberação do recurso: um considerando a aprovação e promulgação da PEC e outro válido antes do fim da tramitação da PEC na forma de uma regra de cessação e transferência temporária.

Por isso, a União tem, a partir de agora, 60 dias para apresentar um projeto de lei complementar com a proposta.

Envie seu Comentário