(Foto: Saul Scharamm)

As perspectivas para as vendas de Natal estão positivas em 2021, segundo a Associação Comercial e Industrial de Campo Grande (ACICG). Um levantamento realizado pela entidade com mais de 100 empresários revela que 79,61% dos entrevistados esperam vender mais esse ano. Para 16.50% dos respondentes a expectativa é comercializar o mesmo que em 2020 e uma pequena parcela, 3.88%, acreditam que devem vender menos esse ano.

“Percebemos que otimismo da classe empresarial está maior para este final de ano. Em 2020, quase 17% dos empresários sinalizaram que esperavam queda nas vendas para o período. Este ano, essa parcela com baixa expectativa está bem menor, não chega a 4%. Com o fim das restrições ao comércio, o avanço da vacinação e o controle da pandemia em nossa cidade, percebemos que a intenção de compra do consumidor vem crescendo e favorecendo o comércio,” avalia o presidente da Associação Comercial e Industrial de Campo Grande, Renato Paniago.

Entre os otimistas, 36.89 % acreditam em uma alta de 11% a 20%; 31.07 % dos empreendedores que participaram do levantamento esperam que podem vender até 10% mais; 8.74% sinalizaram uma expectativa de aumento de 21% a 50%; e 2.91% creem que as vendas devem superar 50%.            

A pesquisa também revelou a expectativa dos comerciantes quanto ao ticket médio dos consumidores. A maioria, 42.72%, prevê vendas entre R$ 101 e R$ 200; 31.07% esperam comercializar de R$ 51 e R$100; 14.56 % acreditam que os consumidores gastarão acima de R$ 200; e 11.65% sinalizaram ticket médio de até R$ 50.      

“Além do movimento tradicional do comércio para fomentar a compra de presentes, os consumidores também podem esperar por promoções em dezembro, já que 75.73% dos empresários entrevistados sinalizaram que devem fazer liquidações após o Natal”, complementa Paniago.

Realizado pela ACICG entre os dias 8 e 19 de novembro, o levantamento Perspectivas Empresariais para o Natal contou com a participação de empresários dos setores de vestuário, brinquedos, eletrônicos, calçados, perfumaria, joias, entre outros.        

Comentários