Foto: José Paulo Lacerda

O otimismo cresceu em 22 de 30 setores industriais em novembro. De acordo com o Índice de Confiança do Empresário Industrial (ICEI) de novembro, divulgado pela Confederação Nacional da Indústria (CNI) nesta quarta-feira (25), as maiores altas ocorreram em biocombustíveis, que cresceu 10,1 pontos frente a outubro, couro e artefatos de couro, com elevação de 8,3 pontos no período, e equipamentos de informática, eletrônicos e ópticos, com alta de 4,4 pontos.

A confiança está mais elevada nos setores produtos de borracha, produtos de madeira, metalurgia, couros e artefatos de couro e máquinas e equipamentos. Os menos confiantes são obras de infraestrutura, produtos farmoquímicos e farmacêuticos, móveis, impressão e reprodução de gravações e produtos alimentícios. As maiores quedas nos índices ocorreram nos setores de móveis, que teve retração de 5,3 pontos, e em farmoquímicos e farmacêuticos, que diminuiu 4,4 pontos.

O gerente de Análise Econômica da CNI, Marcelo Azevedo, afirma que o menor dos índices setoriais está em 54 pontos, no setor obras de infraestrutura.  Mesmo assim, o indicador está acima da linha dos 50 pontos, sinalizando confiança. Azevedo reforça que vários setores estão com índices acima de 60 pontos, sinalizando forte otimismo. “Empresários confiantes tendem a aumentar a produção, as contratações e os investimentos”, destaca.

Em novembro, houve uma retomada do crescimento da confiança do empresário, que havia se estabilizado em outubro depois de sequência de altas no ICEI ocorridas desde maio. “O índice recuperou quase toda a queda que ocorreu em março e abril e chega bem próximo ao pico de confiança que tínhamos no início do ano”, diz Azevedo. O ICEI ouviu 2.307 empresas entre 3 e 12 de novembro. Dessas, 885 são pequenas, 839 médias e 583 grandes.

Comentários