Agência Brasil

Com a primeira proposta para a criação do Renda Brasil sendo recusada pelo presidente Jair Bolsonaro, assessores presidenciais levantaram a possibilidade de que o auxílio emergencial possa contar até 2021, com mudanças, caso o novo programa social do governo Bolsonaro não seja aprovado a tempo de entrar em vigar no início do ano que vem.

Conforme publicado no Blog de Valdo Cruz, no portal G1, um assessor presidencial explicou que, caso prorrogado até dezembro deste ano, o auxilio emergencial teria seu valor reduzido de R$ 600 para R$ 300.

“Agora, porém, caso não seja possível aprovar o Renda Brasil até o final do ano com fontes seguras de financiamento, a proposta deve ser prorrogar o auxílio emergencial durante alguns meses do ano que vem”, disse um assessor presidencial ao blog do G1.

A principal ideia do governo era que o Renda Brasil fosse aprovado para entrar em vigor em janeiro de 2021, apesar disso o Palácio do Planalto já trabalha com um cenário onde o novo programa não seja aprovado a tempo.

Mudanças no auxílio

Caso a prorrogação ocorra, o auxilio emergencial sofria mudanças, principalmente em relação ao público que atendido pelo programa. Isso porque o governo descobriu um grupo de pessoas que recebe o benefício sem precisar, e ainda existe um segundo grupo, que em 2021, já terão recuperado seus empregos e não precisarão mais do auxílio.

Com esses dois grupos descartados, o custo mensal seria menor do que os atuais R$ 50 bilhões. O valor gasto sem os dois grupos citados ainda não foi calculado.

Fonte: Agência Brasil

Comentários