Prefeito, junto a seu secretário de Saúde, José Mauro Filho, em oletiva nesta quarta-feira

O possível surto dos vírus Influenza da gripe em Campo Grande, apesar de atípico a esta época do ano, em especial a variante H3N2, que já casou o óbito de três pessoas em Mato Grosso do Sul, sendo uma na Capital, levou os gestores municipal, a já criarem um programa ou programação de ‘força tarefa’. No fim da manhã desta quarta-feira (29), o prefeito Marcos Trad, anunciou algumas medidas, mas ressaltou que é um ‘adiantamento’ e prevenção, que mesmo com alguns números atípicos que apareceram esta semana, não é caso de pânico ou de se criar medo e fakes news sobre a situação. O município iniciou a semana com 10 confirmações e já está com 42 pessoas infectadas e uma morte.

O prefeito, junto a seu secretário de Saúde, José Mauro Filho, apontou que as medidas são para “Prevenção e cautela para que a gente não tenha contratempo, como estamos vendo em algumas Capitais do país. Nós estamos vendo o aumento muito grande de doenças respiratórias em todo país e também preocupa nossa saúde. Nossa [rede de saúde] teve uma procura assustadora. Assim, temos que repreparar ou deixar pronto, ampliado, pois temos que dar ao cidadão conforto e prioridade, caso aja sobressaltos”, afirmou o prefeito.

Assim, a prefeitura irá providenciar a criação de uma ‘estrutura’ a parte para atendimento sobre Influenza, nos moldes do que foi feito para a Pandemia Covid 19. Entre as medidas estão a criação de tendas, nos postos, a parte da estrutura já existente, como forma de prevenção ao crescente número de casos de H3N2 e a contratação de mais de uma centena de médicos, para tender os casos especificos.

“Serão contratados 120 médicos para atuarem em 20 consultórios que serão montados em 10 unidades de saúde 24h (UPAs e CRSs). Com tendas climatizadas, que devem ser instaladas já nos próximos dias, para bem atender o cidadão, que já procura o local com problema e não quer piorar a sitaução”, afirmou o prefeito, que ao ser questionados das burocracias, completou dizendo que “as publicações ocorrerão ‘em breve’ no Diário Oficial”.

Sem pânico

O Secretário Municipal de Saúde, José Mauro Filho, explicou como técnico da área, que não existe motivo para ‘pânico’, pois a atualização da vacina que previne contra a H3N2 já deve acontecer logo nos primeiros meses de 2022. “Em março ou abril de 2022 já vai ter remessa de vacinas para a nova cepa. Não é uma situação de pânico como estamos observando que vem sendo repassada”, explicou.

“Tem muita gente em busca do teste para H3N2 e eu sei de onde está vindo essa orientação. Temos unidades sentinelas para saber que o vírus está circulando em Campo Grande. Não é prerrogativa do Ministério da Saúde testar a população para a H3N2, o que existe é o comércio privado oferecendo o teste para uma questão comercial”.

Também presente, um assessor da SES (Secretaria Estadual de Saúde), Marcello Fraiha, também reforçou a não necessidade de pânico. “Estamos observando a nossa série histórica de influenza aqui no Estado, desde o ano de 2009. No ano de 2016 chagamos a registrar até 116 óbitos, porém este ano registramos dois óbitos”.

Surto de H3N2

O óbito registrado em Campo Grande foi de um jovem, de 21 anos, que deu entrada no CRS Nova Bahia no dia 20 de dezembro e faleceu no dia 21 de dezembro. O paciente morava em Campo Grande e não apresentava histórico de comorbidades. A outra morte registrada em Mato Grosso do Sul é de uma idosa de 76 anos, moradora de Corumbá, que morreu após ficar internada por 8 dias. 

O Ministério da Saúde divulgou que em todo o país são 456 registros e 30 mortes da doença. Os surtos de gripe pelo país têm sido causados pela variante Darwin do vírus, identificada primeiro na Austrália. A cepa é uma mutação recente e a vacina contra gripe aplicada atualmente no Brasil não protege contra essa variante específica.

Comentários