23.8 C
Campo Grande
sábado, 20 de julho, 2024
spot_img

Companhia de dança apresenta espetáculos na praça Ary Coelho e no teatro Glauce Rocha

A  Focus Cia de Dança (RJ) volta a Campo Grande para apresentação de dois espetáculos: “As canções que você dançou pra mim”, embalado pelas grandes canções do Rei Roberto Carlos, na sexta-feira (14), às 20 horas, no Teatro Glauce Rocha e, “Trupe”, que vai ocupar a Praça Ary Coelho, no sábado (15), com sessões às 15h e 17 horas.

A companhia, dirigida pelo coreógrafo Alex Neoral, é conhecida por espetáculo com sucessos do Rei Roberto Carlos e circula pelo Brasil com o patrocínio da Petrobras, por meio da Lei Federal de Incentivo à Cultura. No Elenco estão Bianca Lopes, Carolina de Sá, Cosme Gregory, Iure de Castro, Lindemberg Mallí, Paloma Tauffer, Vanessa Fonseca e Wesley Tavares.

AS CANÇÕES QUE VOCÊ DANÇOU PRA MIM

Iê-iê-iê, canções românticas, clássicos de tirar o fôlego, enfim, emoções além do horizonte estão na construção da coreografia As Canções que Você Dançou pra Mim. Alex Neoral se inspira na obra do rei Roberto Carlos para criar um espetáculo que visita as décadas de 1960, 1970, 1980 e 1990 através de muito movimento. “A escolha por Roberto Carlos surgiu em brincadeiras do próprio elenco. Durante as viagens da companhia era comum ouvir os bailarinos cantando as músicas do rei, interrompendo um ao outro a partir de uma palavra comum nas letras”, lembra Neoral. Da mesma forma, em cena, “uma canção puxa a que vem em sequência, formando uma grande história. É como se uma perguntasse e a outra respondesse”, completa o diretor e coreógrafo, Alex Neoral.

Todas as composições são sempre na voz do próprio Roberto, em versões originais de clássicos lançados entre as décadas de 1960 a 1980. Verdadeiras pérolas também por guardarem vários momentos e tons da voz do grande Roberto Carlos.

O resultado é uma apresentação que estabelece comunicação direta com os espectadores, o que cria identificação e conquista plateias de diferentes perfis. Para completar o universo de referências à obra de Roberto Carlos, As Canções que Você Dançou pra Mim traz figurinos em tons de azul, aludindo aos modelos e roupas da moda da época retratada, com toques contemporâneos.

Sucesso de público, a montagem foi eleita um dos melhores espetáculos de 2011 segundo o jornal carioca O Globo, e de 2012, na opinião dos críticos da Folha de São Paulo. Os trabalhos são dirigidos e coreografados por Alex Neoral.

TRUPE

Segundo Alex Neoral, a coreografia “Trupe” é uma homenagem aos artistas mambembes que levam, em suas andanças e jornadas, a arte ao público ao longo dos tempos. O espetáculo tem duração de 35 minutos, tempo em que oito bailarinos percorrem 150 metros de distância.

“Trupe” acontece em forma de um cortejo, em que as pessoas são surpreendidas quando estão passando pelo lugar. A ideia é modificar a paisagem ao redor e os próprios sentidos do espectador. A travessia desse cortejo, em fato, se dá no outro, em quem está passando e vê os artistas tão próximos exibindo repertório com propostas de movimentos, expressões e gestos”, conta o coreógrafo. “O espectador pode seguir até o final ou não, mas já foi afetado, ali, ao interromper seu deslocamento, muitas vezes, no ‘modo automático’. A arte sempre vai junto com quem assistiu”.

Neoral reforça que o grupo se desloca coletivamente apresentando a coreografia até um ponto específico da praça, onde se intensifica a movimentação em cena. Segundo ele, a obra é inspirada na atmosfera de grupos teatrais de rua e em coletivos mambembes, menção e homenagem a esse universo tão rico em manifestações culturais com figurinos que remetem um pouco aos traços circenses e burlescos.

“Esse espetáculo, assim como qualquer estreia artística hoje no Brasil, é um sinal de persistência e coragem. Viver da cultura em nosso país está se tornando uma tarefa desafiadora e graças a Petrobras, a Focus Cia de Dança tem o privilégio de ter um trabalho continuado, sinônimo de excelência e qualidade. Iniciativas como essas são essenciais para o desenvolvimento do Brasil e como criação da identidade de uma nação”, afirma Alex Neoral.

Fale com a Redação