O famoso churrasco do Dia das Mães poderá não sair no próximo domingo (8) ou irá custar caro aos filhos pelo Brasil, bem como em Campo Grande. O preço já alto da carne, pode deixar a compra ainda mais cara, se não houver pesquisa, pois a variação do custo está chegando em até 190% a mais entre os comércios da Capital. A constatação é de pesquisa realizada pelo Procon Municipal, entre 27 de abril a 02 de maio, sobre o preço da carne vendida aos Campo-grandensses.

Veja abaixo, quadro de dados, que conforme o órgão da Prefeitura da Capital, foram consultados em 16 estabelecimentos, sendo oito casas de carne e oito supermercados. O levantamento observou produtos em cortes de carne bovina, suína e aves encontradas em vendas por diversas regiões do município. A crise já vem sendo sentida a meses pelos brasileiros com tudo caro, e as carnes ainda mais, como mostra a pesquisa, que também fez o comparativa de preços e seus reajustes nos últimos 10 meses, que ficou entre 4% a 15% na Capital.

“Consumidor, fique atento aos preços, pesquise, pois você poderá encontrar promoções pontuais nos estabelecimentos. E, se possível, faça sua compra antes do dia para que possa economizar, pois o que já teve aumenos, ainda pode ter caso que haja mais reajuste nos preços. Também fique atento às planilhas que iremos disponibilizar, lá você encontra o nome dos estabelecimentos, separados por região.”, orienta Cleiton Thiago, subsecretário do Procon Municipal.

De acordo com o levantamento, a variação pode chegar a 190% no corte de carne suína – lombo, com o menor preço de R$9,95 no mercado “Mister Júnior” e o maior preço de R$ 28,90 no ‘Extra Hipermercado’. Em seguida o corte de carne de ave –  coxa/sobrecoxa, vem com alteração de 116%, sendo menor preço de R$9,80 no supermercado “Pires” e maior preço de R$ 21,15 no supermercado ‘Tropical’. Já o corte de carne bovina – maminha, alcançou uma variação de 101%, menor preço encontrado R$ 34,90 no ‘Mister Júnior’ e maior preço R$ 69,99 no ‘Extra’.

Tabelas

A seguir, em sequência, outras variações encontradas entre o menor e o maior preços nas casas de carnes e supermercados:

  • Corte de carne suína – bisteca: 150%;
  • Corte de carne suína – paleta e pernil: 123%;
  • Corte de carne de ave – peito: 115%/;
  • Corte de carne bovina – picanha: 100%;
  • Corte de carne suína – lombo: 88%;
  • Corte de carne de ave – coraçãozinho: 85%;
  • Corte de carne de ave- peito: 84%;
  • Corte de carne bovina – picanha:  80%.

Reajustes em um ano

A equipe de pesquisas do órgão também realizou uma pesquisa comparativa, entre o mês de julho e dezembro de 2021, e maio de 2022. Com o objetivo de mensurar a evolução dos preços, conforme mostra a tabela abaixo:

Dia das mães salgado com preço de carnes já caras variando até 190% em CG

Nesse período as três maiores altas, foram as seguintes:

  • Corte de carne de ave – frango inteiro: 15%;
  • Corte de carne de ave – peito: 11%;
  • Corte de carne de ave – coxinha da asa: 9%.

E as maiores reduções no preço, foram as seguintes:

  • Corte de carne suína – lombo: -7%;
  • Corte de carne bovina de 2ª (segunda) – paleta: -6%;
  • Corte de carne bovina de 2ª (segunda) – costela ripa: -5%.

Comentários