A Polícia Militar Ambiental de Campo Grande autuou uma dona de fazenda em R$ 20 mil por incêndio e exploração ilegal de madeira. A propriedade fica localizada no município de Jaraguari.

Os policiais militares receberam denúncias de que em uma fazenda estaria ocorrendo a derrubada de árvores e que a madeira estaria sendo enterrada, para burlar a fiscalização, e autuou hoje (15) uma proprietária rural por exploração ilegal de madeira e por uso irregular de fogo.

No último dia 13, equipe da PMA já havia verificado com o funcionário que estava no local, que a proprietária da fazenda efetuou a derrubada de árvores com a autorização do órgão estadual. Porém, a PMA verificou no local que o fazendeiro  efetuou a queima de material lenhoso proveniente do desmatamento nas leiras, que não é permitido na licença.

O funcionário afirmou que a proprietária teria a licença e os policiais mandaram que ele deixasse no local, dando o prazo até hoje (15).

Hoje foi verificado que não havia tal licença, nem da queima da galhada, para a qual normalmente se permite com a devida licença.

Segundo a PMA, as autorizações para derrubada de árvores são emitidas pela solicitação exatamente para aproveitamento da madeira, dessa forma, jamais se pode queimar material lenhoso aproveitável. Isso acontece, porque muitos queimam as madeiras de baixo custo comercial, para liberar logo a terra para o cultivo.

Dessa forma, além de não ter licença da queima, a licença da exploração da madeira perde o valor, por ele não estar cumprindo as condicionantes. No local foram apreendidos 67,10 m³ de madeira. A infratora de 51 anos, residente em Maracaju, foi autuado administrativamente e multado em R$ 20.130,00 pelas infrações. Ele também responderá por crime ambiental, com pena prevista de seis meses a um ano detenção.

Comentários