A vacina da Pfizer, que será uma das oferecidas nos EUA, apresentou 95% de eficácia Pfizer/via Reuters

Uso emergencial será realizado logo após a aprovação da FDA, previsto para acontecer entre 11 e 12 de dezembro; Pfizer e Moderna são candidatas

Diante do avanço descontrolado da covid-19, que infectou mais de 12 milhões de pessoas em seu território, os Estados Unidos preveem começar um programa de vacinação no início de dezembro com a esperança de alcançar a imunidade coletiva em maio.

“Nosso plano é conseguir enviar as vacinas para os locais de vacinação dentro de 24 horas após a aprovação”, declarou Moncef Slaoui, da FDA (Food and Drug Administration), para a CNN.

A farmacêutica americana Pfizer e a parceira alemã BionNTech pediram na sexta-feira à Administração de Medicamentos e Alimentos (FDA, na sigla em inglês) a aprovação da vacina.

Os consultores da FDA vão se reunir entre 8 a 10 de dezembro para discutir a aprovação emergencial das vacinas da Pfizer e da Moderna que se dizem pelo menos 95% eficazes. A decisão de autorizar ou não a vacina, porém, dependerá dos cientistas da FDA e o aval poderá ser dado na primeira quinzena de dezembro.

O alto funcionário também disse que espera que, assim que lançada a campanha de vacinação em massa, o país possa alcançar a “imunidade coletiva” em maio.

“Normalmente, com o nível de eficácia que temos (95%), imunizar aproximadamente 70% da população geraria uma verdadeira imunidade coletiva. Provavelmente acontecerá em maio, ou perto disso, dependendo de nossos planos”, disse.

Os Estados Unidos são o país mais afetado pelo vírus em termos absolutos, com 255.800 mortes por covid-19. A epidemia está fora de controle e o número de novos casos diários está disparando (quase 164.000 no sábado). O número total de contágios supera os 12 milhões, segundo a Universidade Johns Hopkins.

*Com informações AFP e Yahoo

Comentários