Divulgação

As comarcas do interior em Mato Grosso do Sul estão aderindo à campanha Sinal Vermelho Contra a Violência Doméstica, criada pelo Conselho Nacional de Justiça (CNJ) e pela Associação dos Magistrados Brasileiros (AMB), em parceria com os tribunais de justiça, associações, além de outros órgãos públicos e privados.

Depois de Jardim, Guia Lopes da Laguna, Corumbá e Ladário, agora é a vez de Bonito, onde as juízas Paulinne Simões de Souza e Adriana Lampert estão empenhadas em transformar farmácias e drogarias em locais onde as vítimas podem pedir ajuda para quebrar o ciclo de violência.

O prefeito de Bonito, Odilson Arruda Soares, e a secretária de Governo, Terezinha Della Pace, aderiram a campanha visando dar voz a essas vítimas, permitindo que busquem uma vida melhor com os filhos.
 
“A Farmácia Municipal é parceira nessa ação e, enquanto Poder Executivo Municipal, reforçamos nosso apoio, atuando para garantir que essas mulheres, em sua maioria caladas pelo medo do agressor, denunciem e encontrem apoio em nossas polícias e programas sociais”, disse o prefeito.

A campanha foi lançada em todo o país no dia 10 de junho e cresce a cada dia. A juíza Helena Alice Machado Coelho, que responde pela Coordenadoria da Mulher do TJMS, vem trabalhando para ampliar o número de farmácias e drogarias engajadas nesse esforço concentrado em todo o Brasil para fornecer apoio e ajuda às vítimas de violência.

“Estamos empenhadas em ampliar os espaços onde a mulher pode buscar ajuda. Em Bonito, temos 100% de adesão das farmácias e esperamos que as vítimas utilizem efetivamente a oportunidade para denunciar seus agressores, quebrar o ciclo de violência e recomeçar sua vida, sem medo da violência”, explicou a juíza Paulinne.
 
Paulinne destacou ainda a importância da colaboração de Amanda Nucci, da Coordenadoria de Políticas Públicas para Mulheres de Bonito, profissional muito ativa, que tornou possível o alcance de 100% das farmácias em apenas dois dias de lançamento da campanha no Município.

Entenda – A campanha Sinal Vermelho Contra a Violência Doméstica é resultado do aumento significativo de violência contra a mulher em razão do distanciamento social, quando as vítimas são obrigadas a permanecer mais tempo em casa com seus agressores, e da constatação da subnotificação desses casos nas unidades policiais e judiciárias.

A farmácia/drogaria foi o local escolhido para oferecer ajuda a essas vítimas que não conseguem quebrar o ciclo da violência porque, ainda que acompanhada dos agressores, as vítimas terão fácil acesso ao local.

Nesses ambientes, os atendentes receberão as orientações necessárias ao atendimento da vítima, que se identificará com o sinal “X”, feito com batom vermelho, na palma da mão, para que discretamente, a polícia seja acionada.

A vítima será acolhida pela Polícia Militar e receberá o apoio da rede de proteção. O atendente ou farmacêutico não terá responsabilidade de figurar como testemunha da ocorrência – será apenas comunicante.

Todas as farmácias e drogarias do país estão aptas a participar da campanha. Em MS, basta enviar o termo de adesão assinado e enviar para o e-mail [email protected]. Para mais informações, basta ligar 3314-1988.

Comentários