21.8 C
Campo Grande
terça-feira, 23 de abril, 2024
spot_img

Fechado há 8 anos, Centro Cultural José Octavio Guizzo reabre nesta terça-feira

Performances serão feitas para resgatar a memória das personalidades homenageadas pelo centro cultural

O Centro Cultural José Octávio Guizzo (CCJOG), unidade da Fundação de Cultura de Mato Grosso do Sul (FCMS), reabre suas portas para a comunidade sul-mato-grossense com festividades nesta terça-feira (2) e quarta-feira (3).

Conforme divulgado pela Fundação de Cultura, o público será recepcionado com performances feitas especialmente para resgatar a memória das personalidades homenageadas pelo centro cultural: Aracy Balabanian, Rubens Corrêa, Conceição Ferreira, Wega Nery e Ignês Corrêa da Costa estabelecendo um novo marco para essa nova fase de modernização deste importante espaço artístico do Estado e o retorno do fomento cultural da Capital.

A reinauguração do centro no dia 2 de abril será aberta para autoridades e convidados e no dia 3 o público poderá conferir tudo o que o CCJOG tem a oferecer tanto para a comunidade artística como para os visitantes do local.

Durante as próximas semanas, novas programações que serão disponibilizadas ao público deverão ser divulgadas.

Cia Cênica Nau de Ícaros

Fechado há 8 anos, Centro Cultural José Octavio Guizzo reabre nesta terça-feira

E para começar este momento ímpar de reabertura do requisitado Teatro Aracy Balabanian, subirá ao palco a famosa Cia Cênica Nau de Ícaros com o espetáculo “A verdadeira história do Barão”. A peça traz como tema realidades fantásticas, imaginação, cooperação e superação através de aventuras da literatura fabular universal e práticas da arte teatral e circense.

A narrativa se desenvolve com um grupo de teatro viajante, perdido pelo interior do Brasil, que tenta sobreviver encenando as histórias fantásticas, as fugas incríveis, os perigos assombrosos e os encontros extraordinários do famoso Barão de Munchausen. Ao desbravar as aventuras do barão, um herói se equilibra entre a verdade e a mentira em seu próprio mundo.  O espetáculo aborda a poesia, o sonho, o delírio e a imaginação como algo inerente e fundamental à vida.

A Cia Cênica Nau de Ícaros, que já contou inúmeras histórias ao longo dos seus 32 anos, homenageia o maior contador de aventuras absurdas da literatura mundial, buscando a potência da beleza, transformação e crítica que o teatro e o circo são capazes de possibilitar. O espetáculo contará com a atuação do ator Leopoldo Pacheco que participou de diversos filmes, espetáculos teatrais, minisséries e novelas televisivas.

Fale com a Redação