20.8 C
Campo Grande
terça-feira, 16 de julho, 2024
spot_img

Festival Surdolímpico acontece no poliesportivo Vila Almeida no sábado

Criado no Mato Grosso do Sul, o Festival Surdolímpico terá a 2ª edição neste sábado (23) e pretende proporcionar a prática esportiva para pessoas surdas de qualquer faixa etária. O objetivo é promover uma tarde para a prática de atletismo, voleibol, basquetebol com aulas ministradas por três professores de Educação Física surdos.

A entrada é gratuita e a inscrição pode ser feita no local do evento, Poliesportivo Vila Almeida.

A surdez em si não implica em restrições à prática de atividade física e não existem esportes mais ou menos adequados para surdos. Entretanto, as limitações linguísticas e comunicacionais podem dificultar a compreensão e o relacionamento, interferindo na aprendizagem e no comportamento do indivíduo. 

“As pessoas surdas não se enquadram nas olímpiadas e nem nas paralímpiadas, por isso foi criado a surdolimpíada para que eles pudessem ser totalmente contemplados. Então, o Festival Surdolímpico é muito importante no fomento e incentivo a prática esportiva ou do esporte como forma de lazer, para fornecer mais qualidade de vida e autoestima às pessoas surdas”, frisa o diretor-presidente da Fundesporte, Herculano Borges. 

Para a professora de Educação Física e criadora do Festival Surdolímpico, Clelia Souza o principal objetivo é inserir as pessoas surdas em um ambiente confortável em relação à Língua Brasileira de Sinais.

“O Festival é importante para que eles estejam juntos confraternizando, aprendendo modalidades surdolimpicas, convivendo com eles mesmos, com os pares linguísticos, que são pessoas que usam a Língua de Sinais. Porque quando o surdo tem contato com pessoas surdas que ensinam para ele alguma coisa, têm muito mais valor por causa da afirmação da identidade”, destaca a professora. 

Além da prática da modalidade, os professores convidados, Raquel Couto Amaral professora de Educação Física surda, responsável pela oficina de atletismo, Maurisclei Nascimento Moreira, professor de Educação Física responsável pela oficina do voleibol e Felipe Ceresini Caporal, professor de Educação Física responsável pela oficina de basquetebol realizarão palestras sobre a trajetória no esporte de surdos. E também Rivair Souza, douradense, campeão nacional de boliche na Surdolímpiada Nacional contará um pouco da sua trajetória na conquista do ouro em Londrina.

Fale com a Redação