Os radares captam qualquer objeto que esteja na área de cobertura. (Foto: Força Aérea Brasileira)

A Força Aérea Brasileira (FAB) está reforçando a vigilância e o monitoramento do controle dos tráfegos na região de fronteira do Brasil com o Paraguai e a Bolívia, com a instalação de novas estações radar nas cidades de Corumbá, Porto Murtinho e Ponta Porã, todas no estado de Mato Grosso do Sul.

A Estação Radar de Corumbá foi a primeira a entrar em funcionamento, inaugurada em 18 de agosto de 2020. Agora, a FAB está colocando em operação a nova Estação Radar de Porto Murtinho.

A medida dá continuidade ao processo de complementação da capacidade de vigilância aérea. A nova estação radar vai monitorar as aeronaves voando em baixas altitudes na região de fronteira e reforçar a capacidade de identificação de voos não autorizados, que são essenciais nas ações de combate ao narcotráfico. 

Os radares aumentam a capacidade de vigilância aérea na chamada Zona de Identificação de Defesa Aérea (Zida), por meio da detecção de aeronaves cooperativas e não-cooperativas, podendo alcançar um raio de 450 quilômetros, a 30 mil pés, o que corresponde a quase duas vezes a área de Mato Grosso do Sul.  

Em comunicado, o governo de Mato Grosso do Sul afirmou que o reforço no sistema de radares da Aeronáutica “será fundamental no combate ao tráfico internacional de cocaína boliviana na região de fronteira para o Brasil a partir de Corumbá”.

Somente neste ano, segundo a FAB, foram interceptadas mais de 3,5 toneladas de cocaína em voos clandestinos da Bolívia para o Brasil, por meio das unidades de caça, na maioria das vezes interceptações do Esquadrão Flecha, da Ala 5 (antiga Base Aérea de Campo Grande).

As interceptações de voos clandestinos na fronteira são feitas, em sua maioria, por aeronaves A-29 Super Tucano, com o apoio do avião-radar E-99.

Comentários