Vereadores Daniela Hall, Marcio Pudim, Olavo Sul e Fábio Luis com o secretário de Saúde Frederico Weissinger. Divulgação

A preocupação gira em torno da quantidade baixa de vacina que está sendo ofertada aos municípios. Dourados receberá cerca de 48 mil doses.

A Frente Parlamentar de Acompanhamento do Plano Municipal de Imunização contra a Covid-19 discutiu a cobertura vacinal em Dourados, durante reunião na última sexta-feira (15) com o secretário Municipal de Saúde Frederico Oliveira Weissinger. A preocupação dos vereadores está na quantidade baixa de imunizantes que está sendo enviada pelos governos federal e estadual ao município na primeira etapa, bem como nas incertezas em torno da forma de distribuição e atendimento do público alvo.

De acordo com o Plano Estadual de Imunização, a cidade de Dourados receberá doses necessárias para imunizar 24.588 pessoas na primeira entrega, prevista para a próxima semana. A secretaria de Saúde informou que trabalha agora para esclarecer dúvidas se essa quantidade será utilizada para aplicação da primeira e segunda dose e na elaboração de estratégias para distribuir e atender parte do público alvo, como idosos, profissionais da linha de frente, comunidades indígenas, carcerárias, entre outras previstas no Plano Nacional.

Durante a reunião a presidente da Frente, vereadora Daniela Hall (PSD), questionou a estrutura das salas de vacina, tendo em vista que postos de saúde encontram-se com problemas na manutenção de ar condicionado e geladeiras para conservar os imunizantes. Em relação a isto, o secretário alertou para o problema de recursos financeiros que a pasta enfrenta, mas garantiu que existem 38 salas de vacinação adequadas para receberem as doses. Essa estrutura seria capaz de armazenar com segurança imunizantes para atender todo o município, segundo Weissinger.

Secretário da Frente Parlamentar, vereador Fábio Luiz (Republicanos), questionou Frederico sobre a implantação, no município, do protocolo do tratamento precoce por meio de medicamentos que ficaram conhecidos como “Kit Covid” (Hidroxicloroquina, Azitromicina, Ivermectina, Zinco, Vitamina D) e alertou para a importância da divulgação de que há estoques disponíveis na Saúde e o uso pode ser feito pelos pacientes desde que seja receitado pelo médico. O parlamentar pediu ainda que a secretaria analise a possibilidade de realizar um sistema de lembrete para ajudar os pacientes a retornarem na data correta da segunda dose da vacina.

O vereador Márcio Pudim (Dem), membro da Frente, destacou a importância da Secretaria de Saúde realizar uma triagem entre o público prioritário que receberá a vacina para evitar que elas sofram reações adversas. O parlamentar destacou ainda sobre a necessidade de um plano para atender a comunidade indígena e questionou a situação da população carcerária. Foi informado pelo secretário que haverá a triagem, bem como acompanhamento de todas as pessoas que receberem a vacina por meio do programa Rastrear da Secretaria Estadual de Saúde.

Membro da Frente, o vereador Olavo Sul (MDB) sugeriu um trabalho de divulgação para que a população mantenha os cuidados de prevenção mesmo após a chegada da vacina. Ele também questionou sobre a situação das emendas impositivas dos vereadores, tendo em vista que muitas delas levam melhorias para os postos de saúde, locais onde poderão ser oferecidas as vacinas. Em relação a isto, o secretário informou que está fazendo um levantamento e que ampliará a comunicação com a Casa de Leis sobre as etapas burocráticas de cada processo.

De modo geral, o secretário de saúde informou que já entregou uma proposta de Plano Municipal de Imunização ao Governo do Estado. O documento está sendo revisado e detalhado sobre como será a forma de distribuição e percentual atendido do público prioritário. Alertou para o caixa zerado da secretaria e da necessidade de verba de custeio. Ele ressaltou ainda que definirá nos próximos dias a estrutura de vacinação, que poderá utilizar as salas dos postos de saúde, drive-thru ou local único de imunização dos pacientes.

Comentários