Arma usada no crime (Foto: PC/MS)

Está preso no presídio de Caarapó o homem de 27 anos que confessou ter assassinado a própria irmã, de 28 anos, e que estava grávida de cinco meses. O crime aconteceu na madrugada de segunda-feira (23), em Caarapó, e o autor se entregou na quarta (26), após ter passado o período do flagrante.

De acordo com a investigação do caso, o sujeito é um velho conhecido das autoridades e possui uma extensa ficha criminal, iniciada ainda na adolescência. Entre os atos em seu desfavor constam dois assassinatos, o primeiro destes cometido quando ainda tinha 17 anos, em Amambaí (MS), onde nasceu. Três anos depois, aos 20 anos, matou uma segunda pessoa, desta vez em Campo Grande.

Além disso, ele também respondeu por tentativa de homicídio, quando desferiu múltiplas facadas contra outro indivíduo, e foi preso por porte ilegal de arma de fogo. Há ainda um boletim de ocorrência por violência doméscita e um pedido de medidas protetivas de urgência de 2019.

O homem teve a prisão preventiva decretada na quarta-feira, após a polícia concluir que ele matou a irmã com um tiro na cabeça no dia do seu aniversário de 29 anos. Segundo o delegado responsável pelo caso, Silvio Ramos Pereira, ele foi encaminhado para o presídio de Caarapó e aguardará pelo julgamento.

O crime

Angel Luama Pinto de Oliveira foi morta na madrugada de segunda-feira (23), em Caarapó, após ter sido atingida por um tiro na cabeça. A mulher chegou a ser socorrida pelo Corpo de Bombeiros, mas veio a óbito no hospital. O bebê também faleceu.

No dia do crime, parentes disseram para a polícia que ela teria protegido o irmão de um atentado. No entanto, esse irmão não foi encontrado desde então.

A vítima estava ingerindo bebidas alcoólicas com o irmão em um estabelecimento da cidade, mas durante o trajeto de volta para casa tiveram uma discussão. “Testemunhas relataram que ouviram a discussão verbal entre os irmãos, apuramos que houve agressões verbais entre ambas as partes”, disse o delegado.

Na quarta, ao se entregar, o irmão ainda tentou inventar uma história de que foi uma pessoa desconhecida que efetuou o disparo contra a irmã. Porém, foi confrontado e acabou confessando o crime. O assassino estava abalado e confessou que efetuou o disparo, mas achou que a arma estava sem munição.

Segundo o delegado, o inquérito será concluído nos próximos dias, após a chegada dos laudos periciais do feto e da vítima. “Vamos encaminhar o procedimento para o Ministério Público, temos nove dias para finalizar o caso. Foram apreendidos e encaminhados para a perícia dois celulares encontrados no local do crime, possivelmente da vítima e do suspeito”, detalhou.

Comentários