Divulgação/BWF

Mato Grosso do Sul é um dos primeiros estados do país a praticar o airbadminton, modalidade que utiliza os mesmos elementos e fundamentos do tradicional badminton, mas voltada a ambientes externos. O esporte foi lançado pela Federação Mundial de Badminton (BWF, na sigla em inglês) em maio de 2019, em Guangzhou, na China.

As primeiras petecas (originalmente chamadas de birdies) específicas à prática ao ar livre chegaram a Três Lagoas na última sexta-feira (26), adquiridas pela Associação Três-Lagoense de Esporte Adaptado e Cultura (Ateac). No Brasil, a nova modalidade começou a ganhar praticantes neste ano.

Na Associação, quem trabalha com a iniciação do novo equipamento e com a adaptação das regras é o técnico Roney Araujo, que já integrou o quadro de professores de Educação Física do Programa MS Desporto Escolar (Prodesc) – Treinamento Desportivo, da Fundação de Desporto e Lazer de Mato Grosso do Sul (Fundesporte). O profissional também já comandou, em várias oportunidades, atletas nos Jogos Escolares da Juventude (etapas estadual e nacional) e nas Paralimpíadas Escolares, tanto no badminton, quanto no parabadminton.

De acordo com a BWF, o airbadminton foi projetado para ser jogado em superfícies duras (concreto), grama e areia (inclusive saibro) em parques, jardins, ruas, áreas de lazer e praias, a fim de atrair mais adeptos ao redor do mundo. A maior diferença em relação ao badminton está na peteca especial, feita em náilon e que pesa oito gramas, três a mais do que o convencional, permitindo maior resistência ao vento.

“É uma novidade no Brasil e Mato Grosso do Sul sai na frente. Já somos referência nacional pelo trabalho feito com o badminton e poderemos ser com o airbadminton também. Mundialmente, várias competições foram realizadas neste primeiro ano de existência da modalidade. Assim que recebemos a nova peteca, já testamos com os atletas e demos início ao trabalho de fundamentos”, explica Araujo.

Segundo o professor, os treinamentos ao ar livre são feitos obedecendo à risca os protocolos de biossegurança dos órgãos sanitários durante a pandemia de Covid-19, com atividades individualizadas, distanciamento entre os atletas e higienização dos materiais.  “O airbadminton chegou em boa hora para nós, devido à pandemia. Agora, durante este período, podemos focar na nova modalidade, justamente porque ela possibilita treinos em ambientes externos. Mas, mesmo assim, tomamos todos os cuidados necessários”.

Modalidade criada há um ano, airbadminton chega no Estado

Especificidades do airbadminton

O airbadminton utiliza as mesmas raquetes do esporte tradicional. As dimensões de quadra também diferem na modalidade recém-criada, com aumento das medidas de profundidade e estreitamento das faixas laterais.

Além disso, a contagem dos pontos passa por mudanças. No badminton, um set termina em 21 pontos. Já no airbadminton vai de nove a 11. A partida chega ao fim com a disputa na “melhor de cinco” sets.

Quanto ao número de participantes, o airbadminton pode ser jogado em três estilos: simples (um jogador de cada lado), duplas (dois jogadores de cada lado) e trios (três jogadores de cada lado). Todas as regras estão no site oficial da BWF.

No Brasil, a modalidade é referendada pela Confederação Brasileira de Badminton (CBBd). Já em Mato Grosso do Sul, pela Federação Sul-Mato-Grossense de Badminton (FESBd).

Comentários