O autor foi preso e autuado em flagrante delito na Deam

Em depoimento, namorado diz que ‘brincou’ de subir em capô antes de acidente que matou Mariana

O Ministério Público Estadual representou pela conversão da prisão em flagrante em prisão preventiva do jovem Rafael de Souza Carrelo, 19 anos, que atropelou e matou a namorada Mariana Vitória Vieira Lima, da mesma idade.

A Audiência de custódia ocorrerá apenas na manhã da segunda-feira (17), quando a Justiça vai deliberar pela manutenção ou não da prisão. Enquanto isso, Rafael permanecerá em uma das celas da Delegacia Especializada de Atendimento à Mulher (Deam).

O promotor Plínio Alessi Júnior, da 5ª Promotoria de Justiça, ainda que as investigações não evidenciem o crime de feminicídio, o homicídio doloso, ainda que eventual, já está caracterizado, o que em sua visão, justifica a manutenção da prisão. “Mesmo que após o complemento das investigações policiais, ou mesmo, o trâmite do processo, não fique demonstrado que o crime em questão se trata de um feminicídio, é evidente a prática de homicídio doloso, ainda que por dolo eventual, na medida em que é inconteste que o autuado dirigiu veículo automotor embriagado, levando sua namorada sobre o capô, em via rápida, ceifando a vida da mesma”, defendeu o promotor.

Plínio Alessi complementou dizendo que a “garantia da ordem pública, a conveniência da instrução criminal e para assegurar a aplicação da lei penal, havendo indício suficiente de autoria e materialidade, deve ser decretada a prisão do indiciado”.

Depoimento

Rafael contou que namorava Mariana há cerca de quatro meses e que não haviam discutido. Na noite de sábado, às 9 horas, eles foram em uma festa de aniversário na casa de amigo dele onde ingeriram vodka com energético. Depois da festa, já na madrugada deste sábado, resolveram passar em uma lanchonete para comer, mas o estabelecimento comercial estava fechado.

No retorno, entretanto, eles resolveram “brincar” subindo no capô enquanto um deles dirigia. Em um primeiro momento, o rapaz disse que subiu no capô enquanto Mariana dirigia. Quando na troca das posições, ao se aproximarem da Via Park, na curva, ele perdeu o controle do carro, que saiu da pista, bateu em uma árvore e então em poste de energia, parando cerca de 30 metros à frente. 

Ele ainda revelou que após o acidente, pegou a namorada, que estava desacordada, nos braços e a coloco no asfalto. O jovem diz que passou a acenar para motoristas que passavam no local pedindo por socorro.

Policiais que atenderam a ocorrêmcia contaram que ele chorava muito com Mariana nos braços durante a abordagem.

O teste do bafômetro apresentou teor de 0,89 miligramas de álcool por litro de sangue, o que configura crime de trânsito e indica que ele estava bêbado no momento do acidente. 

Mariana teve múltiplas fraturas, uma delas no pescoço e havia marcas de pneu na barriga do jovem, segundo informações iniciais da perícia técnica.

Na Deam, Rafael foi autuado em flagrante delito por feminicídio e embriaguez ao volante.

Comentários