24 C
Campo Grande
terça-feira, 25 de junho, 2024
spot_img

Na Argentina, três gerações de uma família peronista ponderam o voto

Eleitores vão às urnas neste domingo para eleger novo presidente

O bisavô de Catalina Cepernic, Jorge, era o proprietário de uma fazenda de ovelhas na remota Patagônia argentina. Ele foi o primeiro da família a ser conquistado pelas ideias de Juan Domingo Perón, o ex-presidente que deu origem ao movimento político mais influente do país, segundo informações da Reuters.

Durante meados dos anos 1940, os discursos de Perón, que defendiam melhores condições trabalhistas, salários e aposentadorias estatais, ressoaram profundamente com Jorge, que costumava ouvir o líder carismático pelo rádio em sua fazenda no canto isolado da América do Sul.

Embora a família Cepernic continue a se identificar como peronista ao longo de três gerações, o apoio ao movimento enfraqueceu ao longo do tempo. Isso surge como um alerta antes da próxima eleição presidencial neste domingo (19), onde as pesquisas indicam uma disputa acirrada, com a possibilidade de o governo peronista ser desafiado por um outsider libertário radical.

Catalina, com 27 anos, pretende apoiar os peronistas, mas revela que muitos membros da família, ainda residindo na fazenda ou arredores, planejam votar em branco. Essa posição foi confirmada em entrevistas com seu pai, tia e avô, filho do falecido Jorge.

O peronismo, ao longo das décadas, buscou manter as promessas de justiça social de Perón, mas tornou-se um movimento nebuloso e em constante evolução. Governando a Argentina por mais da metade dos anos desde a primeira presidência de Perón nos anos 1940, o movimento está atualmente no poder desde 2019.

Neste cenário, o candidato à Presidência do peronismo, o ministro da Economia, Sergio Massa, enfrenta sério risco de derrota no segundo turno da eleição deste domingo contra Javier Milei, um libertário de extrema-direita que propõe a redução do tamanho do Estado e a ruptura do status quo político.

Tudo isso ocorre em meio à pior crise econômica na Argentina em cerca de duas décadas, com uma inflação de 143%, dois quintos da população vivendo na pobreza e uma recessão iminente. Muitos responsabilizam os peronistas pelos problemas econômicos, especialmente a poderosa ala de esquerda do movimento.

Catalina reflete sobre a presença constante da política em sua casa ao longo dos anos e expressa uma distância em relação ao peronismo nos dias de hoje. Ela não se identifica mais com o movimento e questiona se suas políticas realmente refletem os ideais pelos quais seus parentes lutaram no passado.

Fale com a Redação