CoronaVac é uma das vacinas em estágio mais avançado de desenvolvimento Wu Hong/EFE

O Ministério da Saúde esclareceu nesta quarta-feira (21) que não pretende comprar vacinas contra covid-19 importadas da China, mas que houve um protocolo de intenção para adquirir lotes fabricados pelo Instituto Butantan no Brasil, desde que aprovados pela Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária).

“O ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, anunciou, nesta terça-feira (20), em reunião com os 27 governadores dos estados e Distrito Federal, que assinou protocolo de intenções para adquirir 46 milhões de doses da Vacina Butantan – Sinovac/Covid-19, em desenvolvimento pelo Instituto Butantan.”

Falou-se inclusive sobre o valor que seria liberado: R$ 1,9 bilhão, por meio de medida provisória.

A reviravolta veio na manhã de hoje, quando o presidente Jair Bolsonaro desautorizou o ministro da Saúde e falou que o governo não compraria a “”vacina chinesa de João Doria”.

Após isso, coube ao secretário-executivo do Ministério da Saúde, Elcio Franco, ler uma nota oficial em um rápido pronunciamento à imprensa, no fim da manhã.

Segundo o comunicado, “não houve qualquer compromisso com o governo do Estado de São Paulo ou seu governador no sentido de aquisição de vacinas contra covid-19”.

“Tratou-se de um protocolo de intenção entre o Ministério da Saúde e o Instituto Butantan, sem caráter vinculante, por se tratar de um grande parceiro do Ministério da Saúde na produção de vacinas para o Programa Nacional de Imunizações (PNI). Mais uma iniciativa para tentar proporcionar vacina segura e eficaz para a nossa população, neste caso, com uma vacina brasileira, caso fiquem disponíveis antes das outras possibilidades citadas [Fiocruz]. Não há intenção de compra de vacinas chinesas”, continua.

Ainda de acordo com a nota, “qualquer vacina quando estiver disponível, certificada pela Anvisa e adquirida pelo Ministério da Saúde poderá ser oferecida aos brasileiros por meio do Programa Nacional de Imunizações. E, no que depender desta pasta, não será obrigatória”.

O governo conta com a produção local da vacina que está sendo desenvolvida pela Universidade de Oxford e pela farmacêutica AstraZeneca.

Um acordo de R$ 2 bilhões firmado em agosto, por meio da Fiocruz, prevê a transferência de tecnologia. Mas a produção deve ser iniciada somente em abril.

Cabe destacar que nenhuma das duas vacinas em questão teve os ensaios da fase 3 concluídos ainda. A de Oxford teve um atraso após um voluntário no Reino Unido apresentar uma doença rara, o que fez com que o estudo ficasse paralisado no mundo todo por alguns dias.

O Instituto Butantan prevê ter dados suficientes para pedir o registro da CoronaVac, que é testada no país desde julho, ainda no fim de 2020, o que poderia torná-la disponível para uso antes da vacina de Oxford.

Fonte: R7

Comentários