Sem perspectiva de volta às aulas presenciais para este ano, a tendência deve ser manter aulas à distância até o próximo ano letivo (2021)

11/05/2020 14h00
Da redação

O presidente Associação Nacional dos Dirigentes das Instituições Federais (Andife), João Carlos Salles Pires da Silva, disse que a reprogramação dos calendários acadêmicos vai depender de cada universidade, mas ressaltou que o “ano civil e ano letivo não coincidem”.

As declarações foram feitas em uma coletiva de imprensa com jornalistas por meio de vídeoconferência na manhã dessa segunda-feira (11). Salles também destacou a atitude de dez universidades fluminenses, incluindo a Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), que é a maior do país, e optaram pelo adiamento.

“As nossas atividades de 2020 podem entrar em 2021, como já acontece quando há greve nas universidades”, disse Salles.

A repercussão já chegou até os alunos das universidades locais que se preocupam com a volta do ano letivo presencial durante a pandemia.

Divulgação

Divulgação/WhatsApp

Comentários