22.8 C
Campo Grande
quarta-feira, 22 de maio, 2024
spot_img

Naus 2024 faz sua primeira exposição em Dourados na próxima semana

O Projeto Naus 2024 apresenta sua primeira de três exposições em Dourados, a partir do dia 19 de abril, a partir das 19h na Caixa de Barro, a exposição Deslocamento como Ritual será aberta ao público com um coquetel e pocket show da cantora Fernanda Ebling.

A exposição estará aberta para visitação até 10 de maio, a entrada é Gratuita. Com curadoria de Elias de Aquino e  trabalhos de Ana Mallmann, Antigodoy, Brenda Postaue, da Mata, Isabê, Melissa Aguiar e Tom Kyo. Financiado pelo Fundo de Investimentos Culturais – FIC, o Naus passará pelas cidades de Corumbá, Dourados e Campo Grande.

Naus é um programa de imersão artística e experimentação curatorial NAUS, que incentivará e realizará circuitos de pesquisa e produção, conversas e formações públicas e propostas expositivas durante o ano de 2024.

No primeiro desdobramento expositivo de Naus 2024, o olhar curatorial revisita a imersão voltando-se para a noção de viagem, numa tentativa de pensar os dinamismos e transferências de estado como sendo a coluna vertebral do processo artístico.

Através da seleção de trabalhos que, conscientemente ou não, rompem ou subvertem determinados atributos da linguagem de produção comum dos artistas residentes, a exposição visa elucidar que a mudança geográfica é, necessariamente, um ritual de passagem, onde a renovação, a contração e expansão e o alargamento de determinadas possibilidades de pensamento estético e simbólico são consequências da mobilidade dos corpos e da diferença entre espaços.

Com a curadoria de Elias de Aquino, Deslocamento como Ritual é uma exposição que parte do princípio da viagem e da diferença geográfica para pensar alterações, transformações e novos olhares sobre a produção de um artista.

Essa exposição foi traçada a partir de trabalhos que evidenciam a diferença na produção dos artistas envolvidos, relacionada ao novo lugar, ao novo espaço geográfico, com a ideia do deslocamento, do trânsito, como elementos que constituem pontos de transformação.

Para o curador, “a exposição do trabalho com uma figura metafórica muito importante que é a figura do rio,  o rio Paraguai da cidade de Corumbá acabou me inspirando bastante a pensar essa noção daquele local também como um espaço de intervalo entre uma coisa e outra. Então o rio em si é um espaço de deslocamento,um espaço de transformação, uma estrada que te leva de determinado ponto geográfico a outro ponto geográfico e aí a gente está pensando a partir dessa produção simbólica em cima do rio, também trabalhos que vão constituir uma estética e um discurso relacionados à água, relacionados à hidrografia”.

Serão 20 obras expostas com todo esse arcabouço de experiências realizadas na cidade de Corumbá, em fevereiro, a exposição Deslocamento como Ritual convida a essa imersão nas águas e nos personagens vagantes do Rio Paraguai.

Serviço:
Exposição Deslocamento como Ritual – Naus 2024

Data: 19/04 a 10/05/2024

Horário: 19h

Local: Caixa de Barro – Casulo  Espaço de Cultura e Arte – Reinaldo Bianchi, 398, Pq Alvorada – Dourados/MS

Fale com a Redação