Agentes destacados saindo a Operação (Foto/Divulgação PC-MS)

DOURADOS (MS) – Uma oitava fase da Operação Luz da Infância, que combate em nível nacional aos crimes de exploração infanto-juvenil, foi desencadeada na manhã desta quarta-feira (9). A ação está sendo realizada em 18 estados brasileiros, incluindo Mato Grosso do Sul, além de cinco países da América do Sul. Em MS já foram presas três pessoas, sendo o primeiro um jovem de 21 anos, que foi pego no Parque Alvorada em Dourados, segundo maior município de MS, a 240 km de Campo Grande.

Conforme registros da Operação Luz da Infância, o rapaz que é universitário de Odontologia, foi pego após execução de mandado de busca feito pela PC-MS (Polícia Civil de MS), que apreendeu o notebook dele e ao analisar foram encontrados diversos conteúdos pornográficos infantis. Ele entrará para números da ‘Luz da Infância’, que em sete edições anteriores, entre 2017 e 2020, cumpriu cerca de 1.500 mandados de busca e apreensão e prendeu 700 suspeitos.

D acordo com o delegado Gabriel Desterro, da 1ª Delegacia de PC-MS, a ação de hoje tem foco na cidade de Dourados, com três mandados sendo executados na cidade. O rapaz preso em flagrante nesta manhã, é de Maracaju-MS, mas atualmente é morador de Dourados, porque reside no município a cerca de 1 ano e meio, devido a faculdade.

“Em buscas conduzidas na casa do jovem, foi encontrado um computador de mesa antigo, danificado, onde eram armazenados os materiais. O equipamento foi apreendido e encaminhado para a delegacia, onde será extraído o HD.  Pelo conteúdo encontrado sob posse do rapaz, ele foi autuado em flagrante por armazenamento de pornografia infantil e distribuição do material, a pena prevista é de quatro a seis anos”, apontou o delegado.

Operação 'Luz da Infância' pelo Brasil prende três em Mato Grosso do Sul
Universitário foi preso em flagrante. (Foto/Divulgação PC-MS)

Operação Luz da Infância 8

A operação é promovida pelo Ministério da Justiça e Segurança Pública e, visa o combate aos crimes de exploração infantil contra crianças e adolescentes na internet. Ao todo estão sendo cumpridos 176 manados de busca e apreensão em 18 estados brasileiros além de cinco países da América do Sul.

Em MS, a ação é concentrada em Dourados, onde delegado Gabriel Desterro, é quem coordena as ações na cidade. Ele informou que três mandados estão sendo cumpridos na cidade. “Um desses alvos foi o estudante do terceiro ano de odontologia. Natural de Maracaju, ele mora em Dourados há um ano e meio, para onde se mudou para cursar faculdade”, ratificou Desterro.

Na casa dele no Parque Alvorada, região oeste douradense, os policiais apreenderam um notebook velho e danificado, que era usado para armazenar o material. O equipamento foi levado para a delegacia para retirada do HD e acesso aos arquivos através de outro computador. Devido ao material encontrado no computador, o estudante foi levado para a 1ª DP e autuado em flagrante. O conteúdo encontrado não foi revelado.

“Existe a imagem de que os crimes perpetrados pela internet ficam no anonimato e esse tipo de operação vem exatamente para superar essa situação. Hoje em dia não existe anonimato na internet, as autoridades estão atentas”, afirmou o delegado.

O universitário foi atuado em flagrante por armazenamento de pornografia infantil, com pena de até quatro anos de prisão, e por distribuição desse material, com pena de até seis anos. Os dois crimes são previstos no Estatuto da Criança e do Adolescente.

Outros 2

O segundo preso hoje, foi outro homem, mas de 45 anos, sendo suspeito de crimes de abuso e exploração sexual praticados na internet contra crianças e adolescentes. Ele foi preso por policiais civis em sua casa no Jardim Água Boa, região sul de Dourados, e levado para a 1ª DP PC. O notebook dele foi apreendido. Como havia elementos para configurar o flagrante, ele foi autuado e vai ficar preso.

O terceiro alvo da operação é homem de 43 anos, também morador no Jardim Água Boa. Na casa os policiais apreenderam desktop, HDs de computador, um netbook e celular, mas não houve prisão em flagrante.

Ele já tinha sido preso pelos mesmos crimes em 2018 e vinha sendo investigado pela polícia. Durante as buscas de hoje, no entanto, não foram encontrados materiais para materializar a prisão em flagrante. O homem foi levado para a delegacia para ser ouvido e depois será liberado.

Balanço de 7 Operações:

Em suas sete edições anteriores, realizadas entre 2017 e 2020, a ‘Luz na Infância’ já cumpriu mais de 1.450 mandados de busca e apreensão e prendeu cerca de 700 suspeitos de praticarem crimes cibernéticos de abuso e exploração sexual contra crianças e adolescentes em todo o Brasil e nos países participantes da ação.

Conforme descrito em site da PC-MS, os resultados das operações anteriores foram os seguintes:

Luz na Infância 1: 20 de outubro de 2017. Foram cumpridos 157 mandados de busca e apreensão de computadores e arquivos digitais. Foram presas 108 pessoas.

Luz na Infância 2: 17 de maio de 2018. As Polícias Civis dos Estados cumpriram 579 mandados de busca, resultando na prisão de 251 pessoas.

Luz na Infância 3: 22 de novembro de 2018. Operação deflagrada no Brasil e na Argentina com o cumprimento de 110 mandados de busca, resultando na prisão de 46 pessoas.

Luz na Infância 4: 28 de março de 2019. Operação deflagrada em 26 estados e no Distrito Federal resultou no cumprimento de 266 mandados e 141 pessoas presas.

Luz na Infância 5: 04 de setembro de 2019. Operação deflagrada em 14 estados e do Distrito Federal, além dos Estados Unidos, Paraguai, Chile, Panamá, Equador e El Salvador. A ação resultou no cumprimento de 105 mandados e 51 pessoas presas.

Luz na Infância 6: 18 de fevereiro de 2020. Operação envolveu policiais civis de 12 estados, além dos Estados Unidos, Colômbia, Paraguai e Panamá. Foram cumpridos no Brasil e nos quatro países 112 mandados de busca e apreensão.

Luz na Infância 7: 06 de novembro de 2020. Operação envolveu policiais civis de 12 estados, além dos Estados Unidos, Argentina, Paraguai e Panamá. Foram cumpridos no Brasil e nos quatro países 136 mandados de busca e apreensão.

Comentários