(Fotos: Divulgação)

Evelyn percebeu que seus desenhos alegram quem passa pelo corredor diariamente   

Há dons que possuímos que fazem muito bem ao próximo, mas que muitas vezes nem nos damos conta e acabamos os conhecendo durante o curso natural da vida. Assim, despretensiosamente, Evelyn de Sousa Godoy descobriu seus talentos.  

Antes de se encontrar em meio aos seus dons e talentos ela passou por uma difícil experiência familiar, mas ao mesmo tempo muito valiosa, tanto que lhe mostrou a profissão que seguiria. Há alguns anos sua avó adoeceu e precisou ser internada para tratamento. Quando teve alta, ainda muito debilitada, precisava de alguém que a cuidasse e foi Evelyn quem esteve ao lado dela dando todo o suporte necessário. 

“Nessa época, enquanto eu cuidava da minha avó, percebi que levava jeito para cuidar das pessoas, então fiz minha matrícula no curso de técnico em enfermagem sem saber se era isso mesmo que queria para a minha vida, porém, assim que comecei a estudar, logo me identifiquei”, relembra. 

Depois de formada ela começou a trabalhar no Hospital Unimed Campo Grande, mais precisamente na Unidade de Terapia Intensiva (UTI), um local que, por si só, exige ainda mais cuidado e atenção dos profissionais para com os pacientes. Apesar da grande responsabilidade, a jovem diz que sempre consegue enxergar tudo com muita leveza, e isso ela transmite também aos seus colegas de trabalho.  

“Trabalhar na UTI é muito dinâmico, os pacientes são mais críticos, precisam de cuidados especiais, mas cada dia, cada paciente é um novo aprendizado. No início, mesmo sem experiência nessa área, sempre recebi bastante apoio dos meus colegas do setor e isso me ajudou muito”, faz questão de dizer.  

Além de prestar assistência a cada paciente “deixado” sob sua responsabilidade durante os plantões exaustivos, entre um atendimento e outro, Evelyn tira um tempinho para escrever uma mensagem de motivação em um painel de vidro, instalado no corredor entre as ilhas da UTI. 

“A princípio o painel servia mais para colocar algum comunicado, então eu comecei a deixar mensagens junto com alguns desenhos e, depois disso, quando não escrevia, o pessoal me cobrava: ‘essa semana não vai ter mensagem?’”, conta ela achando graça da situação.  

Com o tempo Evelyn percebeu que suas mensagens e desenhos feitos muitas vezes apenas com canetões nas cores vermelha, azul, preta e verde, fazem um bem tremendo a quem passa por ali e para alguns segundos para ler a “frase da semana”. 

“Como a mensagem fica ali durante toda semana, gosto de colocar algo que motive os colegas, eles gostam tanto que sempre me pedem para atualizar. Já tiveram casos da pessoa dizer que até pensou em uma mensagem para escrever no quadro, mas ficou com dó de apagar o que já estava lá”, conta a colaboradora da cooperativa.   

Escrever mensagens motivadoras e arriscar alguns desenhos sem pensar em receber nada em troca foi mais um dom que a vida mostrou à Evelyn e, desta vez, dentro do Hospital Unimed Campo Grande. Além de fazer bem aos outros, as palavras vindas de seu coração transferidas para o painel, fazem bem a si mesma também.  

Para o ano de 2022 ela diz: “quero continuar escrevendo mensagens que motivem e alegrem pelo menos um pouquinho o dia dos meus colegas e de quem passa por ali”.   

Comentários