20.8 C
Campo Grande
terça-feira, 16 de julho, 2024
spot_img

PC fecha ‘bocas de fumo’ e prende nove pessoas em cidade da fronteira MS

A PC-MS (Polícia Civil de MS), pela Delegacia de Amambai, deflagrou na semana passada a operação ‘Corta Fitas’. A ação, na cidade da fronteira de Mato Grosso do Sul com Paraguai, encerrou com a apreensão de mais de 100 kg de drogas, fechamento da chamadas ‘boca de fumo’ (pequenos lugares/casas) que vendem drogas, e, a prisão de nove envolvidos no trafico de drogas. Bem como, veja abaixo, que a polícia ainda apreendeu dezenas de produtos advindo do crime.

Conforme a PC, ao todo, foram cumpridos no município de Amambaí, quatro mandados de busca e apreensão e dois mandados de prisão. “Tudo é resultantes de uma série de investigações coordenadas da Seção de Investigação Gerais (SIG) no enfrentamento ao tráfico de drogas. Foram fechados três pontos de vendas de drogas e um entreposto foi derrubado”, apontou a PC.

A ‘Corta Fitas’. também pegou e prendeu quase uma dezena de acusados, até perigosos, por tráfico, pegos nos locais. “Nove traficantes foram presos, sendo três deles faccionados e de alta periculosidade, dos quais dois eram procurados em outros Estados. Foi realizada a apreensão de mais de 100kg de entorpecentes com a desarticulação de dois grupos criminosos que atuavam livremente na fronteira.

A Operação “corta fitas”, que em sua deflagração teve 100% de sucesso em suas incursões, objetivou reprimir a profusão de pontos de vendas de drogas e tirar de circulação não apenas uma grande quantidade de entorpecentes, mas também perigosos traficantes que se mantinham junto à sociedade trazendo risco à segurança da população e adoecendo o meio social.

Produtos apreendidos

Nas ações foram recuperadas quatro bicicletas, duas televisões, dois botijões de gás e mais de quinhentos reais em espécie dentre outros objetos frutos de furtos e que eram trocados por drogas nas ‘biqueiras’.

Foram apreendidos, em dois dos alvos da operação, camisetas e distintivos falsos da polícia civil, bem como equipamentos táticos policiais (colete balístico, toucas balaclava, coldres, rádios HT, equipamentos luminosos exclusivos para o uso em viaturas policiais), levando a crer que dos traficantes presos, aqueles pertencentes aos dois grupos criminosos desarticulados se passavam por policiais para cometer os crimes, coagir pessoas ou se esquivar da fiscalização das forças policiais.

Seu nome faz referência à reinauguração das celas da Unidade de Polícia Civil que passaram por reformas e adequações visando dispor de melhores condições de conforto e dignidade aos detidos.

Fale com a Redação