Você já ouviu falar em plantabilidade? O termo faz referência ao resultado obtido a partir do que podemos chamar de ‘perfeita distribuição de sementes’, que é a soma dos espaçamentos, profundidade e unidade correta no plantio. A prática é a primeira etapa da semeadura e, se bem aplicada, garante os bons resultados da lavoura. Este foi o tema da editoria #EducaçãonoCampo desta quarta-feira (29).

“Depositar sementes no sulco com profundidade uniforme, distribuir de forma equidistante e sem falhas, com quantidade adequada de fertilizante, tudo isso faz com que o contato entre o solo e a semente seja apropriado para a melhor germinação”, explica o instrutor do Senar/MS, Valdemir Barreto.

Detalhes na operacionalização da máquina que realiza a semeadura como dosador, velocidade, pressão, estado de conservação, encaixe do disco, e no plantio direto são alguns pontos que fazem toda a diferença. “Para um bom plantio, a palhada deve estar bem distribuída e realizar uma dessecação precisa para evitar o envelopamento”, acrescenta.

A qualidade das sementes, seja ela fisiológica ou sanitária, irá interferir na uniformidade de germinação das culturas, por isso a recomendação é que se escolha sementes com alta germinação e vigor, com qualidade genética e física.

De acordo com Barreto, a eficiência da plantabilidade movimenta o mercado agrícola. Com os bons resultados da produção existe maior valorização por parte dos clientes internos e externos, disponibilidade de cultivares com alto potencial produtivo, máquinas e equipamentos que favorecem a alta precisão na distribuição e no rendimento do trabalho e informações dos órgãos de pesquisa com maior acessibilidade.

O tema é amplamente discutido nos cursos de Agricultura de Precisão do porfólio de capacitações gratuitas do Senar/MS. Você pode conferir isso e muito mais acessando senarms.org.br. Na editoria #MercadoAgropecuário você fica por dentro da valorização da soja no estado.

Fonte: Ascom Sistema Famasul

Comentários