PF apreendeu em agosto 1,3 tonelada de cocaína em jato executivo no aeroporto de Fortaleza (Foto: Divulgação)

Passageiro espanhol preso pela PF seria “mula de luxo” do ex-major da PM Sérgio Roberto de Carvalho, procurado em 5 países

O megatraficante brasileiro Sérgio Roberto de Carvalho, ex-major da Polícia Militar de MS, é suspeito de ser o verdadeiro dono de 1,3 tonelada de cocaína apreendida em um avião executivo no Ceará, no início de agosto. O carregamento seria vendido na Europa pelo equivalente a R$ 300 milhões. Ele é chamado em Portugal de “Escobar brasileiro”, em referência ao colombiano Pablo Escobar.

O flagrante da grande quantidade de droga dentro de um jato particular que seguiria para Bruxelas, na Bélgica, aconteceu no aeroporto de Fortaleza. O passageiro espanhol, inicialmente apontado como o dono da carga, e o piloto turco, da aeronave de mesma nacionalidade, acabaram presos. Na audiência de custódia, Angel Alberto Gonzalez disse que era engenheiro e não tinha antecedentes criminais.

A Polícia Federal acredita que Angel, que tinha uma doença terminal e morreu no último domingo (24) em um hospital de Fortaleza onde era mantido sob escolta, tinha apenas sido contratado para levar a cocaína para a Europa, ou seja, uma “mula de luxo” do tráfico. 

A suspeita é que o verdadeiro dono da carga milionária seja um dos narcotraficantes brasileiros mais procurados do mundo. O carregamento pertenceria a Sergio Roberto de Carvalho, ex-major da PM do Mato Grosso do Sul que enriqueceu com o tráfico internacional de cocaína. 

Ele chegou a ser preso em 2018 em um balneário espanhol, onde levava uma vida de luxo, mas acabou solto para responder em liberdade e desapareceu. Atualmente, é procurado em pelo menos cinco países e foragido da Interpol.

Em novembro do ano passado, a polícia encontrou em Lisboa (Portugal) 12 milhões de euros (cerca de R$ 77 milhões, na conversão) dentro de uma van em um endereço ligado ao ex-major.

Segundo as investigações, todo o esquema para o envio da droga, que havia sido carregada em Ribeirão Preto, no interior paulista – área de domínio do PCC – teria sido planejado em Dubai, nos Emirados Árabes, onde o megatraficante tinha uma empresa.

O paradeiro do ex-major, se tornou um mistério permanente para as autoridades mundiais. Ele é caçado pela Interpol (Polícia Internacional) e as últimas informações são de que tenha fugido em uma aeronave própria para a Ucrânia, no Leste Europeu.

Comentários