28/04/2020 12h45
Da redação

A Polícia Civil apurou que a última corrida feita pelo taxista Luciano Barbosa de 44 anos, durou 18 minutos e em seguida ele foi assassinado com um tiro na cabeça. A execução durou em média 40 segundos. O trabalhado de investigação é feito pela Defurv (Delegacia Especializada de Repressão a Furtos e Roubos de Veículos).

O corpo do taxista foi encontrado por volta das 10h30 de domingo (26), no mato à beira da BR-262, na região do Indubrasil. Já estão presos os três envolvidos apontados como responsáveis pelo crime: Stefanie Paula Prado de Oliveira, de 21 anos, Rayara Laura da Silva, de de 19, e um adolescente de 17 anos foram apontados.

O delegado responsável pelo caso, Pablo Farias, disse nesta terça-feira (28) que tudo aponta para um crime premeditado pelo adolescente de 17 anos e pela namorada dele, Stefanie. Os dois, decidiram fazer diversos assaltos no sábado à noite e acabaram tendo a ideia de roubar um carro.

No depoimento dos envolvidos, disseram que já haviam negociado o carro para entrega a um receptador, em Sidrolândia, que por sua vez levaria ao Paraguai. Por este serviço receberiam R$ 12 mil.

O jovem casal também alegou que desistiram da continuidade no crime, e abandonaram o carro, um Volkswagen Virtus, com as chaves no contato, no Bairro Guanandi. Mas, o veículo foi parar no Santa Emília, sem os quatro pneus, sendo encontrado pela polícia no domingo (26).

Envolvidos

Rayara não estava no carro, mas morava com o casal e teria conhecimento do crime. Ela é que solicitou a corrida para os jovens do Shopping Campo Grande até o Jardim Carioca.

Além disso, um rapaz de 24 anos chegou a ser tratado como o quarto suspeito, devido ao uso do seu CPF pelo aplicativo, mas a polícia apurou que ele já teve um envolvimento com Rayara e por isso, pode ter dito o número de seu CPF violado.

A família do taxista e seus colegas de profissão ficaram gratos com a investigação da polícia e a prisão dos envolvidos.

Divulgação

Comentários