Esplanada Ferroviária de CG com folia dos blocos (Foto:: Arquivo/Daniel Reino)

A maior aglomeração de alegria e festa do mundo, o Carnaval, não acontecerá em 2022, também em Campo Grande, como em Salvador-BA, que tem um dos maiores eventos, e já outras dezenas de cidades, que anunciaram o cancelamento da folia de momo, pelo segundo ano consecutivo devido a continuidade e possível agravamento da Pandemia da Covid 19. A doença que chegou e parou o mundo em 2020, no Brasil foi após a maior festa popular, que aconteceu no ano passado, mas em 2021, pela primeira vez na história, não aconteceu, como após outras festas, que foram sendo canceladas devido ao caos do Coronavirus.

A situação pandêmica que foi ainda pior neste ano, até o mês de setembro, tendo após, com o advento da vacinação, melhorado e parecia ter sido debelada, mas não finalizada, volta a assustar a Europa e nosso País com nova alta e novas variantes. Assim, a maior folia popular do mundo já esta sendo cancelada para 2022, como anunciou ontem, o governo do Estado da Bahia. E na tarde desta sexta-feira (26), o prefeito de Campo Grande, Marcos Trad, anunciou decisão de o Poder público municipal, barrar a festa. Assim, também em 2022, a Capital, que vinha ganhado corpo carnavalesco, também ficará mais um ano sem seu Carnaval de Rua.

Trad apontou que a suspensão é já ante a uma nova onda da pandemia, que vem ganhando força na Europa e mesmo local, tem o ressurgimento de casos em Campo Grande. “Estamos retomando, de maneira gradual, a nossa vida normal, mas ainda vivemos a incerteza do afastamento do perigo da Covid-19 e o surgimento de novas variantes, que preocupam técnicos em saúde do mundo inteiro. Em razão disso, em Campo Grande, optamos por não ter Carnaval de rua. Seria imprudente e irresponsável contrariar a ciência e colocar em risco a saúde da nossa gente”, discursou o prefeito.

Coincidência ou não, o anúncio do prefeito ocorre no mesmo dia em que especialistas e dirigentes de hospitais lançaram vídeos para alertar de que a covid-19 ainda não é coisa do passado. Um exemplo foi o presidente da Cassems (Caixa de Assistência dos Servidores Estaduais), Ricardo Ayache, que contou que o hospital voltou a internar, em três meses, um paciente em Estado grave.

Não vacinados

A que se chamar atenção também, que Ayache alertou que o paciente, que foi internado na UTI (Unidade de Terapia Intensiva), não foi vacinado. E que o tal internado pode vir a não ser o único. Dos 741.599 moradores da Capital com mais de 12 anos, 80 mil (10,7%) não tomaram nenhuma dose da vacina e podem contrair a doença. O mais grave, podem ajudar a espalhar nova cepa.

Carnaval televisivo / online

A Capital já tinha pré-carnavais em andamento, blocos anunciando retomada e possíveis festas a partir de dezembro até fevereiro, bem como as escolas de samba vinham se movimentando aos desfiles. O Carnaval popular mais famoso na cidade é o realizado na Esplanada Ferroviária, onde chega a reunir uma multidão para acompanhar os blocos carnavalescos.

Mas, o prefeito disse que pretende discutir uma alternativa para permitir a folia online e sem risco de propagar o coronavírus., principalmente ou únicas citadas, para não deixar as escolas de samba na mão.

Assim, a Prefeitura, disse que dará todas as condições às escolas de samba, bem como já abriu o diálogo para a construção de um possível novo formato para a realização dos desfiles, no caso, de forma online. 

Mas ainda há possibilidade de se divertir, pelo menos por enquanto, porque os eventos particulares, realizados em clubes ou casas noturnas, terão que seguir regras de biossegurança, que serão definidas, excepcionalmente, por uma comissão a ser criada para este fim.

Comentários