Em “tempos normais”, os professores são profissionais que precisam se reinventar a todo momento, seja aprofundando os seus estudos, reformulando práticas e também integrando as novas tecnologias em suas aulas.

Neste período de pandemia, a reinvenção foi mais necessária ainda, onde o processo de ensino e aprendizagem foram revistas e adaptadas para motivar e garantir o desenvolvimento dos estudantes, mesmo que a distância.

No dia dos professores, conversamos com um servidor que vem de uma família de docentes e que mantém a sua vida profissional sempre em aprendizado contínuo: Acácio Luiz Sampaio, diretor da Escola Estadual Professora Nair Palácio de Souza, em Nova Andradina.

Ele começou a lecionar em 1984 com sala multisseriada. Deste período até 1987, realizou o curso de Letras, habilitando-se para lecionar as disciplinas de Língua Portuguesa e Literatura. Em 1989, concluiu o curso de pós-graduação em Metodologia do Ensino. Em 1990, concluiu o curso de Pedagogia, com habilitação em Orientação Educacional. E 10 anos depois, em 2010, concluiu o curso de pós-graduação em Gestão Escolar.

Foi aprovado nos concursos públicos da Rede Estadual de Ensino nos anos de 1989 como Professor e 1990 como Especialista de Educação. A partir daí trabalhou como responsável pela área de Língua Portuguesa e pela Coordenação Pedagógica das escolas dos sete municípios na Agência Regional de Educação; como professor do Curso de Magistério e Coordenador Pedagógico na E. E. Profª Fátima Gaiotto Sampaio.

Também foi cedido para trabalhar na recém-criada UEMS – Unidade de Nova Andradina. Nesta Instituição de Ensino Superior foi responsável pala biblioteca e professor de Teoria da Literatura, desenvolvendo vários projetos de destaque estadual, até assumir a direção da escola recém-criada em 1996, função que ocupa até a presente data.

Em 2020, já como diretor, dois novos desafios surgiram em sua vida profissional: a pandemia de Covid-19 e a transformação do estabelecimento de ensino em escola de tempo integral. Ao todo, são 14 turmas, sendo três turmas do 9º ano do Ensino Fundamental; 10 turmas do Ensino Médio e uma turma do terceiro ano do Ensino Médio integrado ao curso de Técnico em Informática.

Por ser de tempo integral, a instituição é classificada pela Secretaria de Estado de Educação (SED) como Escola da Autoria, onde o estudante se torna autor do próprio futuro e ganha novas perspectivas com matérias da base nacional comum curricular, aliadas as disciplinas que trabalham na formação individual.

De acordo com o professor Acácio, assim como os estudantes, os professores também passam mais tempo na escola. Por isso, a escola recebe orientações da SED para o desenvolvimento de projetos e possui autonomia para realizá-los no ambiente escolar.

“Com a pandemia, nós da equipe pedagógica, tivemos a necessidade de buscar ampliar nossos conhecimentos sobre o tema e para também nos apropriarmos das ferramentas que vários autores nos dão para termos equilíbrio emocional e qualidade de vida. Então surgiu a proposta de quinzenalmente nos renuirmos virtualmente para aprendermos mais sobre competências socioemocionais”.

Durante as reuniões, são definidas estratégias para apresentar o tema da quinzena, como: metodologias variadas, inclusão de vídeos, elaboração de perguntas que serão discutidas no dia, entre outras.

Já no dia da socialização, os mediadores conduzem a reunião e perguntas são sorteadas para os participantes interagirem com o tema, assim como outras formas metodológicas são utilizadas para tornar o encontro mais significante e prazeroso.

“Os encontros vão até o mês de dezembro. Neste ano de 2020 trabalhamos com a Inteligência Socioemocional e em 2021 pretendemos trabalhar a questão da Neurociência na Educação, para a compreensão das bases neurocientíficas de como o cérebro aprende, se desenvolve e guarda saberes, para o trabalho efetivo da aprendizagem por meio das metodologias ativas e o protagonismo estudantil”, anunciou o diretor.

Além dos projetos da Escola da Autoria, ao longo dos 25 anos, a escola também desenvolveu muitos projetos relevantes para a comunidade de Nova Andradina. Já receberam premiação do presidente da república pelo primeiro lugar nas Olimpíadas Brasileiras de Língua Portuguesa; ofereceram cursos de Educação Profissional para instruir estudantes para o mercado de trabalho; ofertaram o curso Normal Médio para qualificar profissionais de creches e escolas que não tinha a formação mínima; preocupação com questões ambientais e representação de MS em campeonatos esportivos nacionais.

Todo esse engajamento com resultados positivos também pode ser considerado o segredo para o bom desempenho da escola no Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (IDEB), visto que desde a criação do índice, para medir a qualidade do ensino das escolas brasileiras, a instituição vem superando as metas projetadas, destacando-se pela sua eficiência, organização e competência educacional.

“Em 2019, a escola ficou em 2º lugar na avaliação do 9º ano do Ensino Fundamental, nível de ensino que está com mais dificuldades de melhorar no Brasil, e mais uma vez está entre as melhores escolas públicas estaduais de Mato Grosso do Sul”, comemorou.

Acácio ainda destaca que “a escola alcançou esse resultado graças a um planejamento diferenciado realizado pela equipe gestora e professores, com aulas dinâmicas e bem planejadas, conduzidas de maneira a motivar os alunos a adquirirem conhecimentos, além de um trabalho feito em equipe, onde todos se apoiam e caminham juntos em busca do mesmo objetivo”.

Para ele, o diferencial do trabalho e a sua motivação diária para fazer o seu melhor no serviço é o amor. “Nesses 36 anos dedicados à educação, sempre acreditei que a escola é uma oportunidade para a criança e para o adolescente terem o seu projeto de vida realizados. O que tem que estar no centro do trabalho é o amor. Sempre oriento que devemos fazer tudo com amor, pois assim o peso da indiferença social em relação à educação, fica menor”.

E esse sentimento é externado através de detalhes em cada espaço da escola, com flores, quadros nas paredes, espaços de conivência, salas de aula com ar-condicionado e televisor, uma ótima biblioteca, vários laboratórios e sistema de salas ambiente (onde o aluno troca de sala de aula).

“Nunca acreditei que escola pública é sinônimo de sucata. Pelo contrário, escola pública é sinônimo de compromisso pela geração de conhecimento e saber em prol de tantos que só tem a educação como possibilidade de melhorar de vida”, reforçou.

O servidor finaliza o bate-papo dizendo que “o professor é aquele que é responsável por capacitar todos os outros trabalhadores a construir um país justo e esclarecido e esta é uma grande missão. Ele é essencial numa civilização que pretende ser desenvolvida e próspera. O professor que realmente ama a educação, coloca este amor acima de todas as outras intempéries e segue em frente, educando gerações e deixando suas marcas de encantamento por onde passa”.

Comentários