Foto/Divulgação PF

A Polícia Federal apresentou um projeto para a criação de um banco de dados que vai reunir informações criminais de 200 milhões de brasileiros. Intitulado de Abis (Automated Biometric Identification System), o sistema, que custará R$ 90 milhões aos cofres públicos, depende da aprovação do Ministério da Justiça e do Fundo Nacional de Segurança Pública — que vai arcar com os gastos.

Atualmente, o país conta com 27 bancos de dados independentes em poder dos estados. A intenção é unificá-los em um único sistema, facilitando as investigações criminais e permitindo que Polícia Federal identifique, por meio de biometria, qualquer cidadão em território nacional de forma rápida e segura.

O conselho gestor do Fundo Nacional de Segurança Pública analisa a proposta e deve emitir um parecer ainda nesta quinta-feira (30). Com o aval, o processo será encaminhado para o ministro da Justiça e Segurança Pública André Mendonça, que deverá homologar a decisão do órgão.

server-1235959_1920489b72d2c85a98a0.jpg

Banco de dados unificado com informações de toda a população brasileira pode facilitar operações da Polícia Federal. Foto: Pixabay


A Polícia Federal já conta com um banco de dados, mas com informações de apenas 23 milhões de pessoas cadastradas — bem menor do que o sistema proposto. O atual sistema é alimentado com base em dados colhidos de passaportes, registros criminais e autorização de posse e porte de armas de fogo.

O projeto de unificação de bancos de dados tem pelo menos dez anos, mas nunca saiu do papel. No entanto, o presidente do colégio de secretários estaduais, Cristiano Sampaio, acredita que a proposta deve encaminhar, dado o respaldo adquirido pelo engajamento dos órgãos.


Via: Folha de S. Paulo

Comentários