Reunião Secretários. (Foto: Chico Ribeiro)

Com o objetivo de concluir o mandato em 2022 com todas as obras e programas entregues e em pleno funcionamento, o governador Reinaldo Azambuja pediu aos secretários estaduais atenção redobrada no cumprimento dos contratos de gestão. A reunião executiva foi realizada nesta terça-feira (3) na governadoria.

“Fizemos uma avaliação e acompanhamento dos contratos de gestão, cobrando o cumprimento de metas para garantir que vamos concluir o Governo com todas as obras e projetos entregues nas mais diversas áreas. O nosso foco é zerar as nossas obras. Temos mais de R$ 4 bilhões de investimentos nos 79 municípios, na infraestrutura, ligando as regiões; a conclusão da regionalização da saúde; reforma e melhoria das nossas escolas estaduais; estruturação da segurança pública, com a entrega e reforma de quartéis; e a entrega das casas”.

Parte do modelo de gestão por resultado adotado desde 2015, o contrato é um compromisso dos secretários estaduais para projetos estratégicos que viabilizarão as políticas públicas do Governo do Estado. Trata-se de um recorte das entregas anuais à sociedade previstas no PPA (Plano Plurianual) com metas e objetivos estipulados para as diversas áreas de atuação, como Saúde, Educação, Infraestrutura e Segurança Pública.

Outro objetivo do governador é entregar o Estado com as contas sanadas e bem organizado. “O Estado conquistou uma credibilidade, com classificação B da Capag, que é a Capacidade de Pagamento medida pelo Tesouro Nacional e que comprova a solidez fiscal. E estamos caminhando rumo a classificação A. Mato Grosso do Sul já é o estado brasileiro com mais investimentos públicos estaduais por habitante e se consolida cada vez mais como um Estado com condições de fazer ainda mais entregas à população, devolvendo com obras, programas e projetos o dinheiro dos impostos que todos pagamos”, declarou.

Ainda na reunião, Reinaldo Azambuja pediu foco em projetos como o cartão Mais Social, que beneficia as famílias mais necessitadas, e o Retomada MS, que está apoiando os setores mais atingidos pela crise da Covid-19 com auxílio financeiro, medidas fiscais e microcrédito orientado. A intenção é deixar para trás os prejuízos provocados pela pandemia.

Comentários