21.8 C
Campo Grande
terça-feira, 23 de abril, 2024
spot_img

Selic a 9% “não pode ser piso” para o BC, diz ministra Simone Tebet

Segundo a ministra, é possível reduzir ainda mais a taxa básica de juros, que atualmente está em 10,75%

A ministra Simone Tebet (Planejamento e Orçamento) disse que o Banco Central (BC) não pode encarar uma taxa de juros em torno de 9% ao ano como limite para o atual ciclo de afrouxamento monetário.

Em 20 de março, a autoridade monetária fez mais um corte de 0,5 ponto percentual na Selic. A taxa básica de juros caiu de 11,25% para 10,75% ao ano e atingiu o menor nível desde março de 2022, quando estava no mesmo patamar.

A declaração foi dada em entrevista à CNN Brasil que vai ao ar neste sábado (30). A emissora divulgou um trecho em que Tebet foi questionada se a taxa mínima da Selic que que o BC conseguiria chegar em 2024 é 9%. Ela respondeu, taxativamente: “Não pode ser o piso”. 

Agora, em março, o BC cortou a taxa básica de juros pela sexta vez seguida em 0,5 ponto percentual. Ela caiu de 13,75% em agosto do ano passado para 10,75% hoje.

Na última reunião, porém, o Comitê de Política Monetária (Copom) indicou mais claramente apenas mais um corte de 0,5 ponto e sinalizou um ritmo de queda menor.

O mercado passou a trabalhar amplamente com novas diminuições de 0,25 ponto percentual a partir de junho e um piso em torno de 9% para a Selic em 2024, mas Tebet avalia que dá para baixar mais.

“À medida que a inflação está menor do que estava no passado, é óbvio que dá, sob pena de continuarmos tendo os maiores juros reais do mundo”, afirmou.

Segundo ela, o governo tem dado mostras reiteradas de compromisso com a sustentabilidade das contas públicas e com a segurança jurídica, o que daria lastro às futuras decisões do BC.

“Não pode ser o piso. O que mudou? Só pode ser o piso se, a partir do segundo semestre, dermos [a equipe econômica] outros sinais que nós não estamos dando. O BC não está analisando só os preços de alimentos e a inflação. O BC está de olho também na política fiscal do governo”, acrescentou Tebet, reiterando que é a favor da independência da autoridade monetária.

Meta fiscal

A ministra se disse otimista, “até mais otimista do que estava no passado”, sobre o cumprimento da meta de déficit fiscal zero em 2024.

“Tudo o mais constante, eu tendo as rédeas nas mãos — o meu papel é ser chata, aquele grilo falante do Pinóquio, não dá para abrir a torneira, inventar novas despesas públicas, é preciso revisar gasto — não temos preocupação [em revisar a meta] pelo menos até o meio do ano”.

Quanto à Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO), cujo projeto o governo precisa encaminhar ao Congresso Nacional até 15 de abril, Tebet evitou cravar a meta de 0,5% de superavit para 2025.

“Vamos apresentar algumas propostas para a equipe econômica, analisar juntos se conseguimos colocar na LDO 0,5% de superavit, a depender de uma série de situações”, afirmou.

Na divulgação do novo arcabouço fiscal, o governo se comprometeu com um ajuste gradual das contas públicas: déficit de 0,5% em 2023, zero em 2024, superavit de 0,5% em 2025 e de 1% em 2026.

*com informações CNN

Fale com a Redação