Parte dos senadores irá se candidatar aos governos dos seus Estados. (Foto: EDILSON RODRIGUES/AGÊNCIA SENADO)

Ao menos 12 senadores podem tentar governos estaduais; políticos testam nomes e já articulam coligações

Reguffe (Podemos) pode disputar o GDF
Reguffe (Podemos) pode disputar o GDF
JEFFERSON RUDY/AGÊNCIA SENADO

Com a proximidade das eleições, movimentações nos estados mostram que alguns senadores devem tentar eleições a governos estaduais. Dois terços dos senadores estão no meio do mandato, e poderão concorrer a governo sem risco de perderem o cargo de senador, o que os tranquiliza, já que eles podem se licenciar do Parlamento e, caso não ganhem a eleição, retornam ao Senado.

Já 27 senadores estão no fim do mandato e, no caso desses, o que pesa é a real viabilidade de vencer uma eleição para governador. Caso contrário, o mais viável pode ser entrar na disputa pela cadeira no Senado.

Esse é o caso, por exemplo, do senador do Distrito Federal Reguffe (Podemos). O presidenciável Sergio Moro já o lançou como o nome da legenda para a disputa a governador do DF, e o senador tem sido apontado internamente como a viabilidade da sigla de bancar um chefe do Executivo no DF. Reguffe, entretanto, encerra mandato no próximo ano, e precisa escolher entre tentar a reeleição ou disputar o governo.

Caso ele decida por tentar novo mandato na Casa, provavelnente vai disputar a vaga com a ministra da Secretaria de Governo, Flávia Arruda, que é deputada federal e deve disputar o Senado pelo PL. Reguffe tem conversado com aliados e deve anunciar a decisão de disputar o governo do DF ou o Senado no início do próximo ano, observando pesquisas e entendendo qual o melhor cenário para colocar o seu nome. Oficialmente, Reguffe diz apenas que só falará de eleição em fevereiro ou março do próximo ano.

Izalci (PSDB/DF) já lançou pré-candidatura
Izalci (PSDB/DF) já lançou pré-candidatura
GERALDO MAGELA/AGÊNCIA SENADO

Também no DF, o senador Izalci Lucas (PSDB) já lançou a pré-candidatura ao GDF Caso siga com a ideia, ainda que perca o Executivo, continua com o cargo, pois o mandato dele vai até 2026. A ideia de Izalci sempre foi se unir com Reguffe e Leila Barros (Cidadania) para desbancar a reeleição do governador Ibaneis Rocha (MDB).

O nome de Leila Barros era cotado para vice-governadora, mas isso foi descartado, e ela ainda analisa o cenário junto com o Cidadania, legenda na qual se filiou recentemente. Uma possibilidade é que ela não se candidate a nada, e apenas apoie um nome no DF. Tanto Leila quanto Reguffe foram ao lançamento da pré-candidatura de Izalci em 15 de dezembro. Quando perguntado sobre o cenário, Izalci diz que está conversando com os dois colegas de bancada para caminharem juntos. “Estamos trabalhando por isso. A gente tem conversado muito se pode caminhar junto desde o início do mandato. Nós temos que unir força”, disse.

Outras disputas

Randolfe Rodrigues (Rede-AP)
Randolfe Rodrigues (Rede-AP)
PEDRO FRANÇA/AGÊNCIA SENADO – 15.09.2021

Também defensor do governo, o senador Jorginho Mello (PL) se articula há meses para disputar o governo de Santa Catarina. Já no campo da esquerda, o senador Fabiano Contarato (ES), recém filiado ao PT, tem intenção de ser candidato a governador, mas aguarda definições internas. Na Bahia, o nome cotado para disputar pela legenda é o do senador Jaques Wagner, que já foi ministro no governo do PT e que concorreria ao governo contra ACM Neto (DEM).

O senador Randolfe Rodrigues (Rede), por sua vez, é cotado para disputar o governo do Amapá. À reportagem, ele afirmou que a questão ainda está sendo discutida, mas que há um conjunto de legendas que o indicam. O parlamentar, entretanto, preferiria que um outro nome com força suficiente surgisse, e ele pudesse concluir o mandato no Senado, mas ressalta que, “na política, a gente não faz o que quer, a gente faz aquilo que as circunstâncias indicam. Fui o resultado da renovação da política lá e queria que surgisse um nome do campo popular com esse perfil, com essa característica.”

Rogério Carvalho (PT) pré-candidato ao governo de SE
Rogério Carvalho (PT) pré-candidato ao governo de SE
JEFFERSON RUDY / AGÊNCIA SENADO

No estado de Sergipe, o senador Rogério Carvalho (PT) já é pré-candidato ao governo. As alianças ainda estão sendo discutidas, mas envolve PSB e Solidariedade. “Muita movimentação ainda vai acontecer, mas o cenário é favorável”, afirmou. O Cidadania, do senador Alessandro Vieira, pré-candidato à presidência da República, fica de fora desse grupo.

No Amazonas, o nome para a disputa é o do senador Eduardo Braga (MDB), que se movimentou durante a CPI (Comissão Parlamentar de Inquérito) da Covid-19 levando discussões do estado para a comissão, diante do cenário caótico enfrentado em Manaus no início do ano. Na ocasião, houve falta de oxigênio e pacientes com Covid-19 morreram asfixiados dentro de unidades de Saúde. Na época, chegou a haver discussões acaloradas entre ele e Omar Aziz (PSD), também ex-governador e que deve disputar a reeleição ao Senado pelo estado.

Fonte:R7

Comentários