Para o mês de setembro, estão agendadas 16 sessões de julgamento pela 1ª e 2ª Varas do Tribunal do Júri de Campo Grande. Entre os casos de repercussão, no dia 3 de setembro vai a júri popular um homem acusado de matar a ex-mulher e enterrar o corpo da vítima.

O corpo foi encontrado no dia 1º de maio de 2020, em uma residência localizada no bairro Morada Verde, na Capital. Ele responde ao processo junto a uma mulher acusada de o auxiliar na fraude do local do homicídio, no entanto, como ela está foragida, somente o acusado será submetido a julgamento nesse momento.

Segundo a denúncia, o autor teria utilizado de instrumento contundente, desferindo golpes contra sua ex-companheira, causando-lhe a morte. Ainda segundo a denúncia, após matar a ex-mulher, ele teria carregado o corpo dela até o terreno de uma residência vizinha, onde cavou uma cova e enterrou o cadáver com a finalidade de ocultá-lo. Já a corré no processo, é acusada de, a mando dele, ter limpado as manchas de sangue no local do homicídio, com o objetivo de fraudar o local do crime.

O ex-companheiro será julgado acusado de cometer homicídio qualificado por meio cruel e feminicídio em situação de violência doméstica e familiar, além de ocultação de cadáver e fraude processual.

O julgamento está previsto para ter início às 8 horas, pela 2ª Vara do Tribunal do Júri de Campo Grande. O acesso ao plenário se faz mediante regras de biossegurança definidas pelo juízo da vara. O réu está preso preventivamente.

Outro júri agendado para o dia 2 de setembro, pela 1ª Vara do Tribunal do Júri, trata da morte de um homem após confusão em posto de gasolina no bairro Jardim Petrópolis. O réu, que é natural da cidade de Cruzeiro, em São Paulo, está preso em Taubaté, cidade no interior paulista.

Segundo a denúncia, o crime aconteceu no dia 16 de julho de 2016, por volta das 19h20, em uma conveniência de posto de gasolina localizada na Avenida Capibaribe, no Jardim Petrópolis. No dia dos fatos, tanto a vítima, quanto o autor, que estava acompanhado por alguns amigos, ingeriram bebida alcoólica no local.

Em determinado instante, a vítima foi até a mesa do acusado e teria passado a proferir xingamentos contra ele e os demais indivíduos que estavam juntos. A vítima chegou a ser retirada da mesa, mas retornou e continuou a proferir palavras ofensivas por duas outras vezes, até que o acusado desferiu um soco na vítima que se desequilibrou e caiu e, durante a queda, seu corpo chocou-se com uma cadeira. Já caída e imobilizada, o réu teria continuado a agredir a vítima, com intensidade, causando sua morte.

O réu será submetido a júri popular por homicídio simples. Ele deve acompanhar o julgamento por videoconferência. O acesso ao plenário apresenta restrições por conta da Covid-19, conforme determinação do juízo da vara.

No dia 9 de setembro, também pela 1ª Vara do Tribunal do Júri, vai a julgamento uma mulher acusada de matar o marido. O crime aconteceu no dia 4 de agosto de 2018, no bairro Jardim Santa Emília, quando ela retornava do trabalho e avistou a vítima bebendo num bar da região e foi buscá-lo.

Eles discutiram no percurso para casa e, quando chegaram, a vítima estava nervosa e passou a chutar o portão. Já a ré avistou um “chupão” no pescoço do companheiro e teria ficado com ciúmes dele. Em dado momento, ela pegou uma faca e desferiu golpes na vítima, causando sua morte.

Segundo a acusação, ela teria matado o companheiro por suspeitar que ele a estivesse traindo e, também, por ele ingerir bebida alcoólica em grande quantidade. A ré defende que o crime foi praticado por legítima defesa, tentando se defender dele que já a teria agredido em outras oportunidades. A acusada será submetida a julgamento por homicídio simples.

Também estão pautados para o mês de setembro o julgamento de um policial militar acusado de matar um adolescente de 17 anos em um bar de Campo Grande. A sessão está marcada para o dia 14 de setembro, pela 1ª Vara do Tribunal do Júri. Já no dia 24 de setembro, pela 2ª Vara do Tribunal do Júri, vai a julgamento um moto entregador acusado de matar um colega de trabalho.

Comentários