29.8 C
Campo Grande
sexta-feira, 23 de fevereiro, 2024
spot_img

Simpósio na UFMS vai debater as Independências do Brasil e os 200 anos de escolas públicas

Entre os dias 13 e 16 de maio, a Cidade Universitária da UFMS vai receber o debate internacional sobre as Independências do Brasil, sob múltiplas perspectivas, incluindo os 200 anos de escolas públicas no Brasil. As inscrições para ouvintes podem ser realizadas a partir do dia 12 e para apresentações livres a partir de 25 de fevereiro, ambas nesta página. O Simpósio Internacional Independências do Brasil será em formato híbrido, com transmissão on-line no Portal do Bicentenário.

O professor da Faculdade de Ciências Humanas e coordenador do encontro, Jérri Roberto Marin, explica que o ambiente vai possibilitar a expressão de diversas vozes, contextos e interpretações, contemplando perspectivas locais, espaciais e temporais. “As discussões sobre as Independências do Brasil abrangerão diálogos e reflexões acerca do passado, presente e futuro. Isso incluirá considerações sobre temas como gênero, sexualidade, raça, classe social, cidadania, questões políticas, econômicas, historiográficas, socioambientais, educacionais, entre outros”, afirma.

O evento é aberto aos públicos interno e externo, gratuito para ouvintes, e também pretende fomentar a elaboração de uma cartografia histórica das escolas públicas brasileiras, por meio da organização e divulgação de informações relativas aos conhecimentos escolares e aos debates educacionais, celebrando o bicentenário da Lei Geral de Instrução Pública, que instituiu a escola pública no Brasil, em 1827. Os debates e a coleta de informações, a partir de pesquisas e acervo histórico público, farão parte da promoção de cursos de formação, palestras, rodas de debates, exposições fotográficas, documentários e um e-book.

Para o coordenador da ação, a reflexão acerca dos 200 anos da Independência do Brasil permite que os envolvidos possam fazer uma análise crítica do passado, ter uma compreensão mais profunda do presente e, consequentemente, traçar um panorama do país que almejamos para o futuro. “Por isso, é essencial compreender a história, os eventos que culminaram na Independência do Brasil e a formação e evolução da nação brasileira. Isso abrange aspectos cruciais como democracia, direitos humanos, desenvolvimento econômico, educação e igualdade social”, reflete.

O simpósio reúne conferencistas de Instituições de Ensino Superior Brasileiras, de sete universidades de cinco países diferentes, além de escolas e órgãos públicos. Ainda é possível propor simpósios temáticos até o dia 20 de fevereiro, encaminhando um resumo com as principais informações para o e-mail do encontro. Cada submissão pode ser feita por até três coordenadores, de instituições diferentes, estando aptos a apresentar as propostas os doutores e doutorandos.

Os estudantes que desejam realizar apresentação de comunicações orais, têm até o dia 19 de abril para efetuar o cadastro no evento. Para os ouvintes, a data limite é até 10 de maio.

A professora da Fach, Dilza Pôrto Gonçalves, que também atua na organização do evento, comenta que entre os eixos abordados estão: história e historiografia das independências do Brasil; ensino de história e as independências do Brasil; relações internacionais, com atenção especial para o processo de reconhecimento da independência no exterior; as perspectivas políticas da independência dentro das diferentes regiões do país; e os 200 anos de escolas públicas no país.

“É importante trazermos o debate das escolas públicas, porque ainda precisamos melhorar muito a educação no Brasil e a análise historiográfica não pode ficar de fora. Como nos diz Antônio Nóvoa, o mínimo que devemos saber, como professores e historiadores, sobre a escolas é a sua história”, reforça a professora.

Portal do Bicentenário

Criado em 2020, o Portal do Bicentenário é constituído por universidades, programas de pós-graduação, grupos de pesquisa regionais, instituições de representação de pesquisadores e pesquisadoras de programas de pós-graduação, entidades de representação docente e discente, movimentos sociais, além de cidadãos e cidadãs, que juntos desenvolvem e compartilham produções didáticas e ações pedagógicas através de um conjunto de mídias e redes sociais.

Desde sua concepção, o projeto tem como objetivo a construção de um portal didático que trabalhe as interdisciplinaridades da educação sob a perspectiva dos 200 anos de um Brasil independente. Os conteúdos e eventos produzidos pela equipe envolvida têm como principal foco a construção de uma sociedade mais igualitária, justa, democrática, inclusiva, não violenta, antirracista, entre outros.

Até 2027, a expectativa é que novos eventos sejam organizados e realizados em todas as regiões do país, construindo uma cartografia histórica das escolas públicas brasileiras e uma base de dados de produções científicas e midiáticas sobre a educação formal, disponibilizando os dados para toda a população.

Fale com a Redação