Transatlânticos chegam trazendo 20 mil turistas previstos para acompanhar o réveillon de Copacabana, movimenta o Terminal Internacional de Cruzeiros Pier Mauá, na zona portuária (Fernando Frazão/Agência Brasil)

Depois da paralisação em março de 2020 por causa da pandemia de covid-19, a temporada brasileira de cruzeiros 2021/2022 começa nesta sexta-feira (5), com a saída de um navio do porto de Santos, em São Paulo.Temporada de cruzeiros recomeça amanhã com saída do porto de SantosTemporada de cruzeiros recomeça amanhã com saída do porto de Santos

A liberação da circulação de navios turísticos aconteceu depois da aprovação e publicação de protocolos definidos pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), na última sexta-feira (29). Segundo a Associação Brasileira de Cruzeiros Marítimos (Clia Brasil), a previsão é de que a temporada produza um impacto de R$ 1,7 bilhão na economia nacional e a geração de 24 mil empregos.

Além da ocupação máxima de 75% da capacidade da embarcação, do distanciamento de 1,5m entre grupos e do uso obrigatório de máscaras, estão entre os protocolos sanitários determinados pela Anvisa a vacinação completa obrigatória para hóspedes e tripulantes; testagem antes do embarque com exame PCR até três dias antes ou antígeno até um dia antes da viagem; e testagem frequente de, no mínimo, 10% das pessoas embarcadas e tripulantes. As excursões e visitas em terra estão autorizadas e seguirão os protocolos das companhias.

Será necessário ainda o preenchimento de formulário de saúde pessoal (DSV – Declaração de Saúde do Viajante); ar fresco sem recirculação; desinfecção e higienização constantes; plano de contingência com corpo médico especialmente treinado e estrutura com todos os modernos recursos para atendimento dos hóspedes e tripulantes; e medidas de rastreabilidade e comunicação diária com a Anvisa, municípios e estados.

De acordo com a Clia Brasil, a temporada tem cinco embarcações confirmadas, ofertando 383 mil leitos, com 106 roteiros e 413 escalas em destinos nacionais como o Rio de Janeiro, Santos, Salvador, Angra dos Reis, Balneário Camboriú, Búzios, Cabo Frio, Fortaleza, Ilha Grande, Ilhabela, Ilhéus, Itajaí, Maceió, Porto Belo e Ubatuba.

O presidente da Clia Brasil, Marcos Ferraz, reforçou hoje (4), em São Paulo, que, para a indústria de cruzeiros a saúde e a segurança dos hóspedes, tripulantes e das cidades visitadas e o compliance (regras de qualidade) sempre estarão em primeiro lugar e foi por isso que a entidade trabalhou em colaboração com as autoridades responsáveis pela liberação da temporada.

“Estamos prontos para navegar e muito felizes de acompanhar o retorno dos cruzeiros ao Brasil, tanto pela importância do nosso setor para a economia e para a geração de empregos, quanto pela oportunidade de oferecer as mesmas experiências únicas e memoráveis que as pessoas apaixonadas por cruzeiros estão acostumadas a vivenciar e para tantas outras que viverão esses momentos pela primeira vez”, disse.

De acordo com a Clia Brasil, cerca de três milhões de pessoas, em mais de 200 navios, já voltaram a navegar em cerca de 50 países, desde que os cruzeiros retomaram as operações.

As projeções indicam que, até o fim do ano, 80% da capacidade da frota global estarão em operação, de acordo com um levantamento da Clia Global (Cruise Lines International Association).

Demanda

O ministro do Turismo, Gilson Machado Neto, afirmou que a expectativa é de que a temporada seja um grande sucesso por conta da demanda reprimida do pós-pandemia existente em todo o mundo.

“Tenho certeza de que os 75% de ocupação que foram liberados pelas autoridades estarão lotados. Haverá procura maior do que oferta. É uma realidade que não tem volta e nosso potencial é muito grande”, disse.

O ministro lançou ainda um desafio para as operadoras de navios. Sugeriu que as temporadas se transformem em uma atividade constante, abrangendo outros destinos como a região do Nordeste. “Garanto que vocês não vão perder dinheiro. Façam um teste e acreditem no Brasil. Vocês terão em nós um parceiro e não vão se arrepender”. Ele citou ainda a possibilidade de um cruzeiro no rio Amazonas.

Fonte: Agência Brasil

Comentários