Médica Vanessa Chaves

Você sofre com cólicas intensas no período pré-menstrual? E o humor, é algo que te incomoda? Quando esses dias chegam, dá vontade de comer um chocolatinho? Este período afeta o humor e pode influenciar a produtividade no trabalho, durante os estudos e no dia a dia. Muito além de uma simples alteração de humor, essa síndrome pré-menstrual pode apresentar vários sintomas físicos e psíquicos.

E sobre a endometriose, você já ouviu falar? Trata-se de uma condição crônica de evolução progressiva, que pode causar cólicas muito fortes. 

Para saber mais sobre estes assuntos a Dra. Vanessa Chaves Miranda, ginecologista e obstetra da Unimed Campo Grande, fala de informações importantes. Confira! 

Não é frescura! 

Esse é um tema que tem muito a ver com nosso dia a dia, praticamente toda mulher sente em algum nível a Tensão Pré-Menstrual (TPM). Há um tempo esse assunto foi considerando um tabu ou apenas uma questão emocional, até mesmo uma frescura. Cientificamente hoje sabemos que não é isto, a verdade é que temos alterações, tanto hormonais, como a de íons, que justificam essa síndrome, essa TPM. Resumidamente a TPM é uma mudança física e psicológica que antecedem o período menstrual.  

SPM 

A TPM é um termo leigo, que surgiu como uma expressão dita por médicos em meados de 1930. Na medida em que se foi estudando, chegaram à conclusão que não é uma tensão, mas sim uma síndrome, já que tensão lembra apenas algo emocional. É uma síndrome porque existem sintomas físicos e psíquicos, englobando, assim, muito mais coisas do que apenas uma alteração de humor. 

FÍSICO e PSÍQUICO 

Quando a mulher está neste período é comum sentir sintomas físicos e psíquicos.   

Os psíquicos englobam: 

– Irritabilidade 

– Labilidade 

– Mudança de humor 

– Caso houver alguma patologia existente, como depressão e ansiedade, pode haver piora 

Já os físicos são: 

– Retenção de líquido  

– Dores nas mamas 

– Inchaço abdominal 

– Mudança do paladar 

Métodos contraceptivos ajudam?  

A TPM é desencadeada, basicamente, por uma flutuação hormonal. Quando há o bloqueio dessa flutuação hormonal, há uma melhora dos sintomas, por isso ao usar uma pílula combinada, um anticoncepcional contínuo, onde não tem ovulação, há a melhora da TPM. É um dos tratamentos preconizados.  

Importante 

A TPM só é considerada como uma doença necessária de tratamento quando limita a vida. Nestes casos, é a paciente quem vai dizer se precisa ou não de tratamento, se há ou não limitações em sua vida, perdas emocionais, físicas, ou até no trabalho.  

Naquelas situações em que se diz “ninguém briga comigo, pois não me responsabilizo”, é exatamente isso. A intensidade da doença é classificada segundo o nível de conflito.   

Tratamento 

Existem várias linhas de tratamento, que vão variar com a intensidade dos sintomas e com o desejo da paciente. O mais simples é uma melhora na dieta, atividades físicas, cortar alimentos que aumentam o inchaço (café, chocolate) e reposição de cálcio, magnésio, vitamina B12 e B6. 

Outra alternativa é o bloqueio hormonal e, dependendo dos casos, a utilização de antidepressivo. 

Chocolate, pode? 

Pode, desde que seja um 75% cacau, por exemplo. O cacau aumenta o triptofano, que é o responsável por melhorar o humor cerebral. 

Endometriose 

É uma doença crônica de evolução progressiva, que consiste na presença de células de dentro do útero, fora do útero. Então como a célula está fora do lugar, inflama. Grosseiramente podemos dizer que acaba inflamando outros órgãos, geralmente adjacentes ao útero, como ovário, trompas e bexiga. 

Por ser uma doença inflamatória, haverá a mesma dor de uma inflamação. Não importa o tamanho ou extensão da doença, mas sim o nível de dor que ela causa, porque dependendo da posição e profundidade, vai dar uma dor mais, ou menos intensa.  

A endometriose é uma doença de diagnóstico tardio, até porque muitas vezes costumamos dizer que cólica é normal, então é necessário sempre buscar ajuda diante de algum sintoma.  

Recado da médica 

Os dois temas que abordamos são muito amplos, mas atingem, e muito, as pacientes. Se tem uma dica de ouro para dar, é que escutemos nosso próprio corpo, sem achar que tudo o que se sente é normal ou parte apenas da personalidade. Diante de algo, é essencial buscar ajuda de um bom profissional e que essa ajuda não seja pela internet. Caso um primeiro profissional não tenha atendido suas buscas, ou não escutou suas angustias, busque uma segunda opinião.  

Para saber mais sobre o assunto acompanhe o episódio TPM E ENDOMETRIOSE: COMO AFETAM A VIDA DA MULHER? do podcast Cuidar de Você, da Unimed Campo Grande. Basta acessar nosso Spotify (https://bit.ly/PodcastUnimedCG) e Youtube (https://bit.ly/PodcastUnimedCGYoutube).  

Fonte: Ascom Unimed CG

Comentários