Trabalhadores de todo o Brasil têm direito a receber R$ 24,5 bilhões referentes a cotas e abono salarial do PIS/Pasep, conforme reportagem publicada pelo UOL. O prazo para saque de parte deste dinheiro vence no fim do mês.

Os beneficiários têm até 30 de junho para retirar o abono salarial do PIS/Pasep. O recurso é pago a quem trabalhou com carteira assinada por pelo menos 30 dias no ano anterior e recebeu até dois salários mínimos por mês, em média. Além disso, o trabalhador deve estar inscrito no PIS/Pasep há pelo menos cinco anos.

A Caixa acumula R$ 1,2 bilhão em recursos do abono salarial não sacados em outros anos, além de R$ 448,4 milhões de abono salarial do atual calendário.

O valor por trabalhador pode chegar a um salário mínimo – R$ 1.100,00 em 2021 – caso o período de serviço seja igual a um ano. Caso contrário, o pagamento é proporcional ao tempo de trabalho.

Como consultar se tenho direito ao abono salarial?

O trabalhador do ramo privado pode recorrer ao aplicativo Caixa Trabalhador, ao site da Caixa ou ao telefone de atendimento da Caixa (0800 726 0207) para saber se tem direito ao abono salarial.

Já o servidor em empresa pública deve entrar em contato com o Banco do Brasil pelos telefones 4004-0001 (capitais e regiões metropolitanas); 0800 729 0001 (demais cidades); e 0800 729 0088 (deficientes auditivos).

Onde o benefício é pago?

Desde dezembro de 2020 a Caixa deposita o abono salarial em conta poupança social digital, que pode ser acessada pelo aplicativo Caixa Tem. Os valores podem ser movimentados pela ferramenta, que efetua pagamento de boletos e compras com cartão virtual.

É possível sacar o abono salarial em terminais de autoatendimento, casas lotérias e correspondentes Caixa Aqui.

Quem já é correntista individual da Caixa recebe o benefício direto na conta, desde que haja saldo superior a R$ 1,00 e movimentação.

Já os trabalhadores em serviço público correntistas do Banco do Brasil recebem na conta. Caso contrário, é possível sacar o dinheiro em agências do banco, apresentando documento de identidade com foto.

Cotas do PIS/Pasep somam R$ 22,8 bilhões

O grosso do dinheiro “esquecido” por trabalhadores é referente às cotas do extinto fundo do PIS/Pasep. São R$ 22,8 bilhões, valores transferidos ao FGTS.

As cotas podem ser sacadas por quem trabalhou em empresas privadas e órgãos públicos entre 1971 e 1988. Caso o beneficiário já tenha morrido, os herdeiros têm direito.

Os valores variam de acordo com o trabalhador e podem ser sacados até o dia 31 de maio de 2025. Depois, passam em definitivo para a União.

Para consultar se tem direito e a quantia a receber, o beneficiário deve ir até uma agência da Caixa e apresentar documento oficial com foto. Em caso de herdeiro, é necessário levar certidão de óbito e inventário.

Comentários